Ato em frente à SMS vira confusão e deixa duas pessoas feridas

Insatisfeitos com a falta de pagamento do reajuste do piso salarial dos agentes de saúde, representantes do Sindicato dos Agentes Comunitários de Saúde e de Combate às Endemias (Sacema) de Aracaju realizaram um ato na manhã desta sexta-feira, 30, em frente da Secretaria de Saúde de Aracaju (SMS). A situação acabou virando confusão e terminou com duas pessoas feridas.

De acordo com o presidente do Sacema, Carlos Augusto dos Santos, a confusão iniciou no momento em que os manifestantes tentaram se abrigar na recepção da SMS para fugir da chuva. “Estávamos na frente fazendo a manifestação. Queríamos ser recebidos pela secretária de saúde. Mas começou a chover e, com isso, procuramos abrigo dentro da secretaria e ficamos na recepção. Daí um segurança particular começou a me agredir e os agentes de saúde iniciaram a confusão. No meio disso tudo, um guarda municipal, que estava no local, se alterou e apontou a arma para o peito de um dos diretores do sindicato”, conta.

Carlos Augusto relatou que a confusão foi contida após outros agentes da Guarda Municipal de Aracaju (GMA) retirarem o agente que apontou a arma para o diretor do local. “Lamentamos o transtorno causado nesta manhã, mas tudo isso não teria acontecido se a lei estivesse sendo cumprida pelo prefeito Edvaldo Nogueira e pela Secretaria de Saúde de Aracaju. O Piso Nacional é um direito conquistado ao longo de mais de 11 anos de luta e não abriremos mão dessa conquista que obtivemos. Cobramos responsabilidade com os recursos públicos que chegam aos cofres do município, pois são mais de R$ 2,3 milhões por mês que não são repassados para os servidores Agentes de Saúde e isso precisa ser esclarecido”, diz um trecho da nota publicada pelo sindicato.

A PMA

Sobre a acusação de não repassar o valor recebido pelo Governo Federal aos servidores, o Portal Infonet entrou em contato com a Prefeitura de Aracaju, mas até o fechamento desta matéria não obteve resposta. O Portal segue à disposição por meio do jornalismo@infonet.com.br.

A SMS

A SMS se manifestou por meio de nota e disse que é falsa a notícia disparo por arma de fogo contra um dos diretores do Sacema. O órgão disse também que os representantes do Sacema tentaram invadir a sede da secretaria, mas foram impedidos pela GMA, e que eles causaram dano ao patrimônio público ao forçar e quebrar o portão de entrada da SMS.

“Durante a discussão, uma servidora da secretaria foi empurrada pelos manifestantes ao tentar entrar no prédio, sofreu lesões corporais e foi imediatamente encaminhada ao Hospital Fernando Franco para acompanhamento médico e passa bem”.

A Secretaria da Saúde destacou que respeita a manifestação sindical e que a Guarda Municipal agiu tão somente para garantir a segurança dos servidores e manifestantes e proteger o patrimônio público. E ressaltou que em nenhum momento houve prisões e disparos por arma de fogo.

Por Luana Maria e Verlane Estácio 

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais