Auxiliar de necrotério do Huse é preso

0

A Secretaria de Estado da Saúde (SES), em parceria com a Companhia de Radiopatrulha da Polícia Militar, conseguiu prender em flagrante no último sábado, 26, o auxiliar de necrotério Marcos Barreto de Moura, 48 anos. Servidor público há 22 anos, o funcionário do Hospital de Urgência de Sergipe Governador João Alves Filho (Huse), que trabalha na unidade há seis, é acusado de abordar familiares dos mortos e cobrar pela aplicação do formol, mesmo sem indicação médica, alegando a necessidade de conservação dos cadáveres.

A vítima mais recente foi Maria Rosemeiry Feitosa dos Santos. A avó dela morreu de parada cardiorrespiratória na quarta-feira, 23, e durante a liberação do corpo a diarista contou que foi aliciada por um homem identificado apenas como Dias, que rondava as imediações do necrotério e sugeriu a aplicação do produto químico.

Segundo a denunciante, toda a negociação foi compartilhada com o necroterista Marcos. “Eles disseram que o corpo da minha avó estava ‘podre’ e para que durasse mais tempo seria preciso injetar o líquido. Primeiro, foi feita uma cobrança no valor de R$ 300, mas como a nossa família não tem condições financeiras eles baixaram para R$ 100”, relatou.

Ainda confusa com a perda de um ente querido, Rosemeiry concordou em desembolsar a quantia, desde que o pagamento fosse efetuado três dias após, quando teria o dinheiro. Desconfiada, a vítima procurou o serviço social que confirmou tratar-se ali de um golpe. O gerente de Segurança e Vigilância Patrimonial do Huse, José Carlos Ferreira também foi informado. “Conversamos com Rosemeiry e ela concordou em nos ajudar. Já vínhamos investigando o fato há cerca de um mês, mas não tínhamos provas concretas. A atuação da Radiopatrulha foi fundamental para que efetuássemos o flagrante”, explicou.         

Prisão

No dia e hora marcados, a diarista se dirigiu ao necrotério do Huse acompanhada de um policial do serviço reservado da Radiopatrulha que se passou por um familiar de Rosemeiry. Depois de uma longa conversa com Marcos, no ato do pagamento, foi dada a voz de prisão. O auxiliar de necrotério acabou detido e encaminhado para a Delegacia Plantonista, onde ficou caracterizado o crime de corrupção passiva.  

“Diante da constatação de que o uso do formol vinha ocorrendo de maneira indiscriminada, vamos abrir um procedimento administrativo contra o funcionário Marcos Barreto. Nossa preocupação é proteger os servidores comprometidos com a legalidade e garantir os direitos dos usuários do Sistema Único de Saúde [SUS]”, informou o superintendente do Hospital de Urgência, Márcio Barretto.

Ouvidoria

Para que a Secretaria de Estado da Saúde possa aprofundar nas investigações, é preciso que os familiares de pacientes, vítimas da chamada máfia dos “papa-defuntos”, denunciem o golpe na Ouvidoria da Saúde através do número 0800 286 3000. O atendimento ocorre das 7h às 18h.

Outra forma rápida de registrar a queixa é procurando a Ouvidoria do Huse, localizada no Pronto-Socorro Adulto. “Aqui mesmo na unidade temos uma equipe preparada para isso. Se o usuário não quiser se identificar, também pode colaborar através do (79) 3216-2646”, reforçou a ouvidora Maria da Conceição Santos.

Fonte: ASN

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais