Banco de Leite faz campanha para aumentar estoque

0

O Banco de Leite Humano (BLH) Marly Sarney, anexo à Maternidade Hildete Falcão Baptista (MHFB), está em campanha permanente para tentar angariar um maior número de doadoras  para  suprir  a  demanda diária. O objetivo é aumentar o estoque de leite materno, que está reduzido porque a quantidade do produto recolhido diariamente não é  suficiente. Atualmente, a unidade conta com sete doadoras cadastradas fixas, e nove de  alívio. Dessa forma o banco vem reduzindo os índices de doenças e mortalidade infantil. Pode doar, toda mãe sadia, que tenha interesse em se tornar doadora, tenha excesso de leite, seja bem nutrida e esteja com o cartão de pré-natal.

O recolhimento diário varia de três a cinco litros de leite. O ideal seria mais de 10 litros/dia. Isso porque nem todo leite coletado pode ser pasteurizado. Antes ele passa por uma seleção rigorosa, para depois ser pasteurizado e armazenado em condições corretas de higienização e acondicionamento, assegurando a qualidade do produto e evitando a transmissão de doenças, conforme determina a Rede Nacional de Bancos de Leite Humano.

O leite doado no banco é distribuído para alimentar os prematuros e recém-nascidos de baixo peso que não sugam, recém-nascidos infectados, com deficiência imunológica, portadores de alergia à Proteína Heteróloga e casos excepcionais, a critério médico ou do nutricionista, que  estão internados nas Unidades de Tratamento Intensivo, das Maternidades Hildete Falcão, Renascença e Santa Helena, além de seguir para os postos de coleta da Santa Izabel e Lagarto. O banco possui um ambulatório com uma equipe de especialistas para atender os recém-nascidos de zero até o 6º mês, em aleitamento exclusivo, sem utilização de chás, sucos ou leites industrializados.

Segundo Hélia Karla Agapito, coordenadora do banco, as pesquisas confirmam que o “leite materno é o melhor alimento para as crianças recém-nascidas e, até os seis meses de vida, deve ser o único”. Mesmo sendo garantido o direito à amamentação a mães e filhos, muitas nutrizes não podem amamentar seus bebês por terem desenvolvido alguma complicação. Hélia disse que a doação não faz com que o leite da mãe seque, nem prejudica a nutrição do filho da doadora. A própria mãe pode fazer a ordenha do leite em um recipiente de vidro esterilizado. Nestas condições, o leite pode ficar até no máximo 15 dias no congelador, sem perdas nutricionais. Vale lembrar que no BLH, funciona o Centro de Apoio e Incentivo ao Aleitamento Materno, trabalhando a prática  de amamentação, formado por uma equipe multidisciplinar capacitadas para ensinar às mães a fazer a ordenha e tirar todas as dúvidas que elas possam ter referente à amamentação.

 

Rede Nacional

O Brasil tem a maior rede de bancos de leite humano reconhecida na América Latina pela Organização Mundial de Saúde: são mais de 180 unidades. As atividades desenvolvidas no BLH recebem o apoio da Secretaria de Estado da Saúde, através do secretário José Lima Santana e dos diretores da MHFB, Eduardo Pinto, Marcos Araújo e Márcia Macêdo. O banco está necessitando também de doações de vidro de café solúvel ou maionese com tampa de plástico, nos tamanhos pequenos e médios. A entrega pode ser feita na recepção da unidade que funciona de segunda a sexta-feira, das 7h, às 19h, localizado na rua Recife, s/n, bairro José Conrado de Araújo, anexo à Maternidade Hildete Falcão.

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais