Bares da praia são notificados pela Vigilância Sanitária

0
Bares foram inspecionados no último fim de semana (Foto: Arquivo / Portal Infonet)

Materiais de cozinha como panelas, colheres de pau e tábuas de cortar carne em visível estado de desgaste e inaptidão para o uso. Este foi um dos cenários encontrados pela equipe da Vigilância Sanitária e do Procon municipal, em uma operação realizada no último fim de semana nos bares e restaurantes da Rodovia José Sarney, em Aracaju.

Conforme a gerente de alimentos da Vigilância Sanitária de Aracaju, Nazaré Aragão, as inspeções aos estabelecimentos seguirão acontecendo em caráter sigiloso nos próximos dias. "São ações de rotina da Vigilância Sanitária. Inspeções voltadas para que haja o cumprimento das normas de legislação sanitária, preservando os interesses do consumidor e a saúde da população, que paga pela adequada prestação dos serviços", explica.

Nazaré observa que além dos equipamentos inadequados, foram observadas em alguns bares, irregularidades no manejo e preparo dos alimentos, além de funcionários sem uniforme e EPI (Equipamentos deProteção Individual), necessários como toucas e luvas.

Com a presença do Procon, também foram avaliadas as licenças e documentos necessários para funcionamento dos bares e restaurantes. “Analisamos se os bares estavam respeitando o Código de Defesa do Consumidor. Verificamos se eles estavam com tabelas de preços adequadas, comandas individualizadas, entre outros aspectos”, revela.

Rodoviária Velha

Os órgãos de fiscalização municipal também visitaram o Terminal Rodoviário Luiz Garcia, no Centro, nesta segunda-feira, 19, apurando denúncia feita pela Secretaria do Estado de Desenvolvimento Urbano (Sedurb), que comunicou às autoridades municipais a suspeita de existência de comércio irregular de produtos impróprios ao consumo humano no local e a venda de água mineral com lacre violado. Os agentes promoveram inspeções, mas não constataram irregularidades quanto ao comércio de água.

No local foram apreendidas bisnagas onde estavam acondicionados molhos – mostarda, maionese e catchup -, cujo uso é proibido pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que determina o uso de molhos em sachêsindividuais e lacrados. Os estabelecimentos foram autuados para que façam as devidas adequações.

Os estabelecimentos foram autuados e os proprietários terão prazo de 30 dias para fazer as devidas adequações dos serviços à legislação sanitária.

Com informações da SMS

Comentários