Biblioteca tem espaço interditado para preservar ninho de gaviões

0
Ação tem como finalidade proteger casal de aves que habita uma árvore na área externa da instituição (Foto: Adema)

Atendendo uma solicitação por parte da diretoria da Biblioteca Pública Epiphânio Dória, localizada no bairro 13 de julho, na Zona Sul da capital, a Administração Estadual do Meio Ambiente (Adema), enviou uma equipe de fauna que identificou em uma das árvores na área externa do prédio público, um ninho da espécie gavião-carijó (Rupornis magnirostris ou Buteo magnirostris).

Segundo a diretora da instituição, Juciene Maria Santos, o pedido da visita da equipe do órgão ambiental, se deu em razão dos constantes ataques realizados aos funcionários e frequentadores do local, por um casal de aves que habita a área.

Após a constatação da existência de um ninho e, com isso, a impossibilidade de realocação das aves, os profissionais concluíram que o ideal seria interditar a entrada de acesso próxima a ele, uma vez que o artigo 29 da Lei 9605/1998 (Lei de Crimes Ambientais) caracteriza os atos de modificar, danificar ou destruir ninho, abrigo ou criadouro natural, como crimes contra a fauna.

Para Juciene Maria, a decisão do órgão ambiental foi assertiva, uma vez que é necessário respeitar o ambiente dos animais. “Desde 2015 temos convivido com eles aqui, que adotaram o espaço como seu. Orientamos aos funcionários e visitantes como se proteger, porque sabemos da importância das aves para o equilíbrio do ecossistema. Solicitamos a presença da Adema para nos ajudar a encontrar uma solução porque os ataques das aves ficaram em maior intensidade, e concordamos com o que foi decidido”, ressaltou.

A equipe de Fauna da Adema esclarece que o comportamento natural do animal é afugentar possíveis predadores, por isso eles atacam para evitar aproximação, ato comum nos períodos de reprodução e alimentação do neonato. Assim, em comum acordo com a direção da biblioteca, ficou estabelecido interditar provisoriamente o acesso à instituição próximo a árvore em que encontra-se o ninho, sinalizando-o com placas e fitas, deixando apenas uma entrada de acesso para os funcionários e visitantes.

Fonte: ASN

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais