Bird envia a Sergipe missão para projeto

0

Reunião tratou do aceleramento do projeto (Foto: Arthur Soares/Semarh)
A missão do Banco Mundial (Bird) que chegou em Aracaju na tarde desta segunda-feira, 27, iniciou reunião às 16h, na sede da Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos(Semarh), com membros dos  organismos  do Estado envolvidos com o desenvolvimento do “Águas de Sergipe”, projeto que tem como objetivo principal de sua elaboração, a revitalização da Bacia Hidrográfica do Rio Sergipe. A missão estará no Estado até nesta próxima quinta-feira, 30.

De acordo com o enviado do Banco Mundial, Jason Jacques Paiement, que trabalha no Grupo de Salvaguardas (SAT) do Bird, em Washington, o motivo que trás essa nova  missão do Bird é buscar o aclaramento de tudo  que está escrito no marco do projeto – informações enviadas pela Semarh ao Bird em julho deste ano – com o que existe de fato apresentado no projeto. Segundo Jason Paiement, esse é um procedimento comum no banco, uma vez que as questões sociais e ambientais de qualquer projeto apresentado ao Bird deve conter elementos compatíveis com as  diretrizes da instituição financeira internacional.

De acordo com o secretário do Meio Ambiente de Sergipe, Genival Nunes Silva, presente na reunião, o projeto Águas de Sergipe pretende integrar todas as ações inerentes ao uso e à conservação da água, abrangendo inclusive intervenções físicas na bacia do Rio Sergipe. Ele vê a chegada do Bird com muita positividade:

“Daremos todo o apoio necessário à missão durante a sua estadia em Sergipe. Queremos transparência de dados inclusos nos marcos enviados ao Banco em julho deste ano. Considero o Águas de Sergipe um projeto valoroso, a qual busca melhoramentos prioritários no item água, a exemplo de saneamento básico em alguns pontos, dentro alguns municípios banhados pelo rio Sergipe e que resultará na revitalçização de toda a bacia do Sergipe”, esclareceu o secretário de Estado.

Benefícios

A negociação do Estado junto ao Bird  busca  aquisição de empréstimo na ordem de 117.125 milhões de dólares, para se investido no “Programa Águas de Sergipe”. O prazo da execução das ações do programa está previsto para cinco anos. Nesse tempo deverão está sendo concluídas melhorias na eficiência operacional e do uso racional da água no saneamento e na irrigação da bacia hidrográfica do rio Sergipe, da coleta e disposição adequada de resíduos sólidos da gestão da disponibilidade hídrica do Estado para os diversos usos, das condições de habitabilidade e qualidade de vida da população e da qualidade ambiental do Estado. Além da redução nos índices de poluição em corpos hídricos na bacia hidrográfica do rio Sergipe e preservação de mananciais.

De acordo com os estudos realizados por órgãos do Estado, a exemplo da Deso e Cohidro, as principais problemáticas ao longo da bacia-, que se estende desde o alto rio, no semi-árido, médio rio, no agreste e baixo rio, na zona costeira-, vão desde a escassez de recursos hídricos (quantidade e qualidade); cidades com baixos índices de atendimentos aos serviços de saneamento –incluindo a disposição final de resíduos sólidos; problemas na operação e manutenção de barragens e adutoras, demandas crescentes para uso doméstico e industrial da água, ocupações irregulares de manguezais e áreas ambientalmente sensíveis, carências de serviços de saneamento em áreas de favelas e outras ocupações desconformes por famílias de baixa renda, entre muitos outros problemas.

População

Cerca de 1.010.523 habitantes são beneficiados pelas águas do Sergipe e a situação atual da Bacia Hidrográfica requer uma ação intensificada, iniciativa pela qual o Governo do Estado criou o Águas de Sergipe. A ação que tem a coordenação geral da Semarh e co-execução de autoria de alguns órgãos do Estado que estão envolvidos com o programa.

Fonte: Ascom/Semarh

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais