Bombeiros sergipanos irão ao Haiti em missão de resgate

0

Grupo de 14 bombeiros atuará em missão de resgate por vinte dias
Quatorze militares do Corpo de Bombeiros do Estado de Sergipe viajarão nos próximos dia ao Haiti para missão de resgate. Há mais de uma semana, a capital Porto Príncipe foi devastada por um terremoto de 7 graus na Escala Richter. De acordo com o coronel Dória, o número de escolhidos é resultado de uma triagem que obedece a uma exigência do Gabinete Institucional de Segurança da Presidência da República, solicitante das equipes de todo o Nordeste.

Todos os selecionados têm formação no Curso Básico de Resgate em Áreas Colapsadas. “Estamos apenas aguardando a autorização para que a Força Aérea Brasileira (FAB) busque os militares. O mesmo avião deve percorrer todo o Nordeste, nos Estados que também enviarão tropas”, explicou o coronel. Além do curso, os bombeiros preparam os passaportes e tomaram uma série de vacinas.

Coronel Dória (centro) coordenará equipe de militares no Haiti
 O grupo será coordenado por Dória e é composto por um capitão, três tenentes, oito sargentos e uma soldado.

Os trabalhos devem durar até vinte dias, pelas circunstâncias da ocorrência. Serão levados equipamentos de proteção individual e de resgate. “Nós deixamos as famílias apreensivas, mas a nossa missão fala mais alto. É perigoso, mas todos estão preparados para trabalhar”, reforça o coronel.

O capitão Max, que também integrará a missão, ressalta que as expectativas com o trabalho são as melhores. “Para um bombeiro, participar de numa missão para resgatar pessoas vivas é motivo de alegria. Queremos muito ajudar às vítimas”, disse.

Capitão Max diz que grupo está técnica e psicologicamente preparado

Mesmo apreensivos, principalmente por ser a primeira vez que participam de uma missão desse porte, o capitão revela que todos estão preparados técnica e psicologicamente. “Formamos uma equipe especializada. Esse trabalho é de grande importância porque certamente aquelas pessoas estão precisando de ajuda”, completou.

Por Diógenes de Souza e Carla Sousa

Comentários