Cemitério S. J. Batista é alvo de vândalos e viciados

0
Túmulos depredados (Fotos: Portal Infonet)

A falta de segurança no Cemitério São João Batista, no bairro Ponto Novo, tornou o local um ponto de encontro para vândalos e viciados em drogas. A porta da capela do cemitério foi arrancada por ser de alumínio. Tudo no local que demonstrava algum valor foi levado pelos usuários de droga. O vandalismo no cemitério é algo frequente, segundo a comunidade, que lamenta os prejuízos, não apenas financeiros, mas também sentimentais. O Portal Infonet esteve nesta sexta-feira, 26, no cemitério e verificou diversos túmulos violados, além de mato entulhos e lixo. Em um dos túmulos foi possível ver um saco com ossos expostos.

Somente este mês, o cemitério foi alvo de vândalos por mais de quatro vezes. Os túmulos viraram alvos de usuários de drogas, que furtam portões, placas de bronze e alumínio para trocar por crack.  Segundo moradores da região, os viciados entram no cemitério geralmente à noite, consomem drogas e furtam os túmulos. “Acredito que as pelas sejam vendidas no ferro-velho. Tenho quatro entes queridos enterrados aqui, mas tenho medo de vir porque já me deparei com drogados e tive que sair daqui às pressas. Um dos túmulos foi destruído. Cheguei para rezar e encontrei tudo quebrado”, relatou o servidor público, José Fernandes.

Entulho no fundo do cemitério 

Funcionários também são vítimas. Eles disseram que o local o utilizado para fazer as refeições não existe mais, já que tudo foi levado, inclusive o motor da geladeira. As lâmpadas que ficam no alto da capela estão quebradas devido às tentativas de roubo. As ferramentas utilizadas pelos funcionários para fazer a manutenção dos túmulos e os sepultamentos ficam escondidos em outro local para que não sejam roubados. Temerosos, os funcionários não quiseram se identificar.

Sepuma

Solidário aos servidores, o presidente do Sindicato dos Servidores Públicos do Município de Aracaju (Sepuma), Nivaldo Fernando Santos, esteve no cemitério para verificar a situação. Para ele, a situação atual do local é resultado da falta de segurança na região. “Esses funcionários ficam expostos à violência. Tudo que está acontecendo aqui é fruto da falta de segurança. A prefeitura não olha pelos seus servidores”, disse Nivaldo enquanto verificava os problemas.

Nivaldo Fernando esteve no cemitério 

Emsurb

A assessoria de comunicação da Empresa Municipal de Serviços Urbanos (Emsurb) informou ao Portal Infonet que o órgão já está tomando providências para colocar um agente de segurança trabalhando no local dia e noite no intuito de conter as ações de vandalismo. Sobre a sujeira no lcemitério, a assessoria garante que uma equipe de limpeza será enviada para reparar os problemas.

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais