Confira o que se sabe até agora sobre o óleo derramado no Nordeste

0
Barris foram encontrados na Praia Formosa, em Aracaju, e na Barra dos Coqueiros (Foto Ilustrativa: Adema)

No último dia 16, o ministro do Meio Ambiente esteve na Universidade Federal de Sergipe para conversar com o professor e pesquisador Alberto Wisniewski, do Departamento de Química. Na pauta, os estudos do cientista sobre o óleo que tem poluído o litoral nordestino.

O que motivou a vinda do ministro para tratar pessoalmente com o professor são os indícios de que o material que chegou – e continua chegando – às praias possui relação com o produto contido em barris jogados pelo mar em praias de Sergipe e Alagoas.

Esse e outros temas sobre o assunto têm estado na pauta dos brasileiros e gerado confusões de informações. Conversamos com Wisniewski para que ele nos explicasse os resultados das pesquisas desenvolvidas nos laboratórios do grupo que coordena, o PEB – Grupo de Pesquisa em Petróleo e Energia da Biomassa.

Química forense

Alberto Wisniewski é paranaense, formado em Química pela Universidade Federal do Paraná (UFPR) e doutor em Química Analítica pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Em 2001 começou a trabalhar em um laboratório da Universidade Regional de Blumenau, que dava suporte à ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis) através da análise de derivados de petróleo.

“Em 2010, quando mudei para a UFS, trouxe o know-how que eu tinha, de análise e caracterização de combustíveis, e juntei com o que eu havia desenvolvendo no doutorado (que envolvia o desenvolvimento e caracterização de biocombustíveis), junto com a minha formação também de mestrado, que era em síntese orgânica”, relata.

O trabalho de análise que Wisniewski vem desenvolvendo em amostras dos óleos das praias do Nordeste se enquadra na prática de química forense, através do uso de técnicas de caracterização de óleo para aplicação em uma investigação. Essa análise busca, no produto, moléculas que fazem parte da história de sua produção.

“Essas moléculas estão junto desse óleo desde quando se propõe que ele foi criado – então, há 140 milhões de anos. Elas têm uma associação com algumas matérias orgânicas específicas, e trazem essa história junto com o óleo desde a sua origem até os dias de hoje”, explica.

Alberto pontua que a análise de óleos segue um protocolo internacional, mas existem diferentes níveis de tecnologia, que podem aprofundar a caracterização.

“Um óleo analisado há 15 anos, 20 anos, sabia-se que ele tinha entre 800 e 1000 compostos. Por quê? Porque as técnicas analíticas da época permitiam ter esse conhecimento, essa dimensão. Hoje têm técnicas analíticas que já mostram que o petróleo pode ter 70 mil compostos, porque o avanço tecnológico permitiu esse tipo de característica”.

Temos aqui duas considerações importantes sobre o trabalho de Wisniewski, no caso do óleo na costa nordestina: a função da química forense é dar subsídios para uma investigação, não trazer conclusões; e as condições tecnológicas de análise são importantes para eliminar ou indicar hipóteses de investigação.

O óleo dos barris é, ou não, o mesmo das praias?

Dois barris foram depositados pelo mar em praias sergipanas: um na capital Aracaju e o outro na Barra dos Coqueiros, cidade vizinha. Um terceiro foi encontrado em Alagoas. Eles continham um produto visualmente semelhante ao que estava poluindo o litoral. A importância de se saber a ligação entre os tambores e o óleo das praias é o fato de haver neles inscrições feitas à mão e a logomarca impressa de uma marca de produção e comercialização de combustíveis, podendo orientar as investigações.

De início, a Marinha apontou que os dois óleos não eram “similares”. Essa avaliação levou a crer que as investigações desconsiderariam os barris, ao menos como parte do mesmo evento que poluiu a costa brasileira.

Aqui entra a pesquisa de Alberto Wisniewski e sua equipe, que já vinham atuando em colaboração com as investigações. Sua análise identificou que a relação entre os óleos das praias e os dos barris não pode ser descartada, embora confirme que se trata de produtos distintos.

“De fato, o óleo que está chegando às praias tem todas as características de um óleo cru, pesado. Isso é indiscutível. O que está nos barris pode ser um óleo cru, ou pode ser um derivado. Como ele tem um aspecto físico-químico diferente, ele pode se enquadrar, de repente, dentro de um derivado de um petróleo, ele pode se encontrar como um outro petróleo cru, ou pode se caracterizar como um o óleo cru dissolvido num outro óleo mais leve”, disserta.

Alberto Wisniewski: “[As moléculas do petróleo] têm uma associação com algumas matérias orgânicas específicas, e trazem essa história junto com o óleo desde a sua origem até os dias de hoje”. (Foto: Adilson Andrade – Ascom/UFS)
Porém, segundo Wisniewski, a conclusão da primeira etapa da análise é de que “existem muito mais indícios de que há uma relação [entre o óleo das praias e o dos barris] do que não existem”.

“Vimos que existem muito mais coincidências em alguns parâmetros que me fazem crer que a gente não deve descartar a hipótese de que o barril e o seu conteúdo tiveram em algum momento relação com os óleos [das praias]”, propõe.

O principal obstáculo para uma conclusão mais assertiva nesta e em outras análises sobre a atual tragédia ambiental é a falta de parâmetros para comparação. Uma perícia desse tipo costuma ser feita comparando produtos dos quais um deles se sabe a origem.

“Você tem, por exemplo, cinco pontos e você sabe que o óleo saiu de um deles. Pronto, isso é tranquilo: você tem cinco pontos de amostragem e tem o óleo aqui, então você vai fazer essa investigação. Agora, quando você não sabe de onde saiu, você tem o mundo inteiro de opções e uma amostra para ficar tentando comparar”, pondera.

Assim como o avanço da tecnologia ao longo do tempo permitiu que se façam análises mais aprofundadas, existem também diferentes níveis de possibilidades analíticas, que também dependem de recursos tecnológicos – entre outros. Alberto explica que em um certo nível de análise, poderia ser determinado que os óleos não possuíam relação. Porém, ao avançar no nível de especificidade, permitiu-se outra leitura.

“Quando a gente chegou nessa parte não conclusiva, a gente tomou a decisão de falar ‘vamos focar em uma técnica um pouco mais específica do que o geral’. E aí, quando descemos para mais um nível de especificidade da técnica, vimos que o que estava dizendo no nível anterior, de que não teria relação, quando ficou mais específico ele voltou a acusar uma associação”, narra o cientista.

Essa diferença entre os níveis de especificidade da análise pode explicar a divergência entre os resultados da Marinha e do laboratório da UFS. A importância do trabalho realizado pela equipe da Wisniewski levou o ministro do Meio Ambiente a visitá-lo, para ouvir pessoalmente sobre os indícios encontrados pelo pesquisador – que prossegue com outras etapas do estudo.

As investigações estão considerando os barris na apuração do ocorrido. Tanto que, em resposta às autoridades brasileiras, o fabricante já teria informado que empresas do seu grupo comercializaram o produto, embora afirme que não tem responsabilidade sobre o reuso dos tambores – eles continham, originalmente, lubrificante para motores navais.

Óleo venezuelano?

O Ibama aponta como “certeza” que o óleo derramado possui “DNA venezuelano”. Um laboratório da Universidade Federal da Bahia também indicou uma “forte correlação” entre o óleo das praias e uma amostra de óleo da Venezuela armazenado em seu Banco de Óleos – o grupo comparou também com análises de óleos do país disponíveis em publicações científicas.

Alberto Wisniewski diz que não seria tão enfático em afirmar a origem do produto. Sua equipe também está pesquisando essa linha – de buscar indícios sobre a proveniência -, mas, segundo ele, é difícil alcançar um resultado conclusivo.

O pesquisador explica que uma única bacia sedimentar pode produzir, em seus diversos campos, óleos com características diferentes. Se houver a amostra de um determinado óleo, como o venezuelano, facilita a análise por ter como comparar. Assim como ao ser comparado com análises presentes na literatura (publicações científicas). No entanto, observa o docente, o petróleo não costuma sair de uma bacia e ser comercializado de forma crua.

“O óleo venezuelano, por exemplo, não é comercializado estritamente de um ponto. Então, por exemplo, sabe-se que o mais comum da Venezuela é comercializar o óleo Mery, que é uma mistura do óleo pesado com um óleo leve deles, que agrega valor. Então, na verdade, quando você vai avaliar, já não é o próprio óleo de uma bacia específica de lá, é um óleo misturado. E isso naturalmente dificulta esse tipo de trabalho, como eu comentei, porque você pode ter informações equivocadas”, avalia.

Wisnkieski enfatiza, novamente, que o trabalho de química forense não aponta conclusões, mas apresenta indícios para subsidiar investigações. “A gente só levanta evidências, indícios e provas, as conclusões cabem a um juiz”, reforça.

É tão importante saber a origem do óleo?

O derramamento que está poluindo o litoral do Nordeste está sendo considerado o maior desastre ambiental da costa brasileira – já foram retiradas, segundo a Marinha, 900 toneladas de óleo. Outras tragédias de grande relevância foram o acidente em uma refinaria no Paraná, que causou o vazamento de 4 milhões de litros de óleo cru, e o rompimento de um duto de uma refinaria no Rio de Janeiro, despejando 1,3 milhão de litros de óleo combustível e graxa na baía de Guanabara. Os dois episódios aconteceram em 2000.

A principal diferença das duas tragédias para a atual é que ali se sabia a dimensão do ocorrido, facilitando o combate e a atenuação de seus efeitos. Alberto, paranaense, lembra do primeiro caso e confirma a excepcionalidade da situação de hoje.

“[Um desastre] com essas características, de você não ter origem, não saber como que isso está, que dificulta o combate, eu, realmente, não consigo vislumbrar. A gente teve alguns acidentes, como esse do Paraná, que acabou vazando muito óleo, contaminando rios. Mas, como eu falei, são acidentes pontuais, que você sabe o que aconteceu, então se tem todo o protocolo de combate”.

O presidente do Ibama, por exemplo, alega que o ineditismo torna a contenção um desafio. Descobrir, então, a origem do óleo, assim como sua ligação com os barris, são informações relevantes que podem contribuir para se mensurar a dimensão do derramamento e onde ele ocorreu, servindo para um planejamento de combate.

Pesquisadores da UFRJ avaliam que o derramamento pode ter ocorrido em uma área do oceano Atlântico, a uma distância de 600 a 700 quilômetros da costa brasileira, na altura da divisa entre Sergipe e Alagoas. Eles “rodaram um modelo matemático de correntes marinhas no Atlântico e cruzaram os dados com o mapa de manchas de óleo encontradas na costa do Nordeste” para construir a estimativa. O estudo, ainda inconclusivo, pode ajudar a antecipar como ocorre a dispersão do óleo.

Foto: Ascom UFS

Comentários