Cooperativas ameaçam mais uma paralisação na quarta,02

0
Categoria aguarda resposta do Governo (Foto: Arquivo Infonet)

Após o ato realizado na última quinta-feira, 26, representantes das cooperativas de transportes intermunicipais foram recebidos na Secretaria de Estado de Desenvolvimento Urbano (Sedurb), para negociar. O encontro, no entanto, não agradou a categoria e na próxima quarta-feira, 02 de julho, os 350 veículos devem parar de circular.

A informação é do o presidente da Cooperativa de Transporte Alternativo do Estado de Sergipe (Unicoopes), Edilson Tavares. Ele explica que a avaliação do encontro não é positiva. Segundo Tavares se uma proposta de redistribuição de linhas não for apresentada pela Sedurb até a próxima terça-feira, 1º, os serviços de transporte intermunicipal serão paralisados.

“Nós avaliamos como não muito positivo essa reunião, até porque o presidente da Sedurb vai depender de outra empresa de cooperativa para decidir qualquer coisa. A gente não teve saída e por isso suspendemos o movimento momentaneamente. Mas na próxima quarta-feira, a gente vai parar todos os veículos, se a Sedurb não nos der uma resposta positiva”, garante Tavares.

Entenda

Os trabalhadores pedem a regularização de distribuição de linhas em Sergipe. Na manhã da última quinta-feira, mais de 100 veículos ficaram estacionados em frente à Secretaria de Estado de Desenvolvimento Urbano (Sedurb), onde aconteceu um ato. Representantes do movimento ameaçaram greve de fome.

Sedurb

Em nota enviada no mesmo dia, a Sedurb esclarece que “como o processo de licitação do transporte público intermunicipal ainda não foi concluído, a Sedurb e os representantes das cooperativas chegaram a um entendimento de que, para não prejudicar os usuários do transporte público, serão tomadas algumas medidas, como por exemplo, feito um estudo das linhas, bem como o número de veículos que cada cooperativa deverá operar, aquisição de novos veículos para a frota e a inclusão de outra cooperativa no sistema. Com as medidas a serem adotadas, quem ganha é o usuário do transporte, pois a espera por veículos nos terminais rodoviários será menor, evitando o excesso de passageiros e facilitando os trabalhos da fiscalização”, diz a nota.

Por Eliene Andrade

Comentários