Cordel em dose tripla na Biblioteca Clodomir Silva

0

Símbolo inegável da cultura nordestina, o cordel tem, graças a diversas iniciativas, sido resgatado lentamente do limbo em que se encontrava no Estado. Considerada uma genuína manifestação popular, este tipo de literatura vem despertando a atenção nos últimos tempos. Prova disso é o lançamento, de três obras, que acontece hoje à noite, às 19 horas, na Biblioteca Clodomir Silva, no bairro Siqueira Campos. São: “Um presente de Natal”, de Gilmar Santana Ferreira, “Valor das Mamães”, de Zezé de Boquim, e “A Guerra do Caldeirão”, do professor Zé Antônio. Apesar dos autores serem todos sergipanos, os livros já forma lançados, no mês de novembro, no Ceará. “É que nós participamos de projeto ‘Sesc Cordel Novos Talentos’, promovido pelo Sesc de lá. Eles lançam, de dois em dois meses, quatro folhetos inéditos de cordelistas de todo o Nordeste. Nós apresentamos nossos trabalhos, que foram aprovados, e impressos através dessa iniciativa”, explica Gilmar Santana. Além dos folhetos que serão relançados esta noite, um quarto, “A Velhinha do Reinado”, do sergipano Poeta Miranda, também foi publicado através do projeto. Da tiragem de mil exemplares, bancada pelo Sesc cearense, os autores tiveram direito a 500 folhetos. E é este material que está sendo apresentado, agora, ao público sergipano. Apesar do projeto fazer referência aos autores como ‘novos talentos’, de principiante os três cordelistas não têm nada. Zezé de Boquim, por exemplo, escreve cordéis há 20 anos. “Valor das Mamães” é seu 14º livro. “Por falta de incentivo eu tinha parado. Ficava pensando: ‘Quem sou eu? Apenas um semi-analfabeto’. Me desiludi. Mas depois que o Gilmar me encontrou, voltei a escrever com gosto”, descreve. No caso de Gilmar Santana, a experiência com literatura de cordel remonta ao ano de 2000. Ele começou a escrever cordel após assistir uma palestra de João Firmino Cabral – um sergipano que é considerado um dos maiores cordelistas vivo do país – no Sesc. Desde então já publicou três obras. “E esse livro tem como proposta tentar refletir o verdadeiro espírito natalino. Diferente da festa consumista que muita gente celebra hoje em dia. É uma mensagem que levada, principalmente, para as pessoas das classes desfavorecidas. Tem, como nos meus outros trabalhos, uma certa preocupação social”, diz. Exemplo disso são os versos dedicados às crianças que vivem nas ruas. “Por quê criança de rua / vive no mundo jogada? / e quase ninguém faz nada / acha a culpa não ser sua?/ E ela, com fome e nua, / entregue a qualquer mal / o que ela quer afinal, / é um lar para crescer! / Isso pra ela vai ser / um presente de Natal”. Os interessados em conhecer a obra dos três cordelistas podem comparecer ao lançamento, que é aberto ao público e inicia às 19 horas. O endereço da Biblioteca Clodomir Silva é na rua Bahia, 626, no bairro Siqueira Campos. Os folhetos estarão sendo vendidos, no lançamento, ao valor de R$ 1,00. Posteriormente, quem quiser adquiri-los, pode encontrar na banca de João Firmino Cabral, no Mercado Antônoi Franco, na Passarela das Flores.

Comentários