Deficiência no transporte público de povoados é debatida no MP

0

José Pereira
Foi realizada na manhã desta terça-feira, 4, uma audiência no Ministério Público Estadual (MPE), que teve como pauta a situação do sistema integrado de transporte público do município de Nossa Senhora do Socorro. Participaram da audiência a promotora de Justiça, Ana Cristina Brandi, o superintendente do Sistema Municipal de Transporte e Trânsito (SMTT) de Socorro, o tenente coronel Pontual, o assessor da Viação São Pedro, Everton França, e o representante do povoado Oiteiros, Rael de Oliveira.

O problema principal enfrentado pela população de diversos municípios de Socorro, como Oiteiros, Bita e Lavandeira, está no deslocamento para a Aracaju que é feito através de somente uma linha de ônibus.

Além destes, outros povoados também são consequentemente prejudicados

Tenente Pontual
pela extensão de somente uma linha de ônibus. No caso, povoados de São Cristóvão: Cardoso, Quissamã e Fazenda Tabua.

Muitas pessoas dependem do transporte público para trabalhar e estudar na capital e precisam acordar cedo para não perder a condução. O auxiliar de serviço geral, José Pereira, que também é líder comunitário do povoado Lavandeira, sai de casa às 5h. Ele pega a condução às 5h30, e chega à Aracaju próximo das 7h. “Se eu perder o de 5h somente pego outro ônibus às 8h30. São cinco municípios de trajeto até Aracaju”.

Ele conta que alguns amigos já foram demitidos por causa de

atrasos. José Pereira explicou ainda que as condições dos veículos são bastante precárias e as pistas dificultam a locomoção. “Quando chove a situação é bem pior”, diz.

Ana Brandi
De acordo com o assessor da Viação São Pedro, Everton França, a empresa está atendendo ao que determina a SMTT, mas esbarra na falta de condições financeiras para cobrir todos os povoados. Outras empresas que operavam nessas regiões não trafegam mais devido ao mesmo problema.

Para o superintendente da SMTT de Socorro muito pouco poderá ser feito pelo sistema municipal. Isso porque eles dependem de ações do órgão gestor, que é a SMTT de Aracaju.

A promotora Ana Brandi informou que por três vezes convocou a SMTT da capital e não houve o comparecimento. “Iremos encaminhar um ofício para a superintendência juntamente com a cópia do termo de audiência para que eles se manifestem. É completamente inviável para moradores dos municípios se deslocarem para Aracaju sem a presença do órgão gestor”, explica.

O diretor de Transportes Públicos da SMTT, Orlando Vieira, informou que irá se reunir com o superintendente da SMTT, Antonio Samarone, para agilizar uma medida que atenda, o mais breve possível, aos povoados.

 

 


 

Comentários