Desembargador estranha notícia do MPF

0

Desembargador Edson Ulisses: “Matéria superada” (Foto: André Moreira)
O desembargador Edson Ulisses de Melo divulgou nota à imprensa sobre a notícia do Ministério Público Federal (MPF), que pediu a anulação de contratos irregulares do Programa de Arrendamento Residencial (PAR) da Caixa Econômica Federal, em que os dois filhos dele teriam sido beneficiados. Segue a nota na íntegra:

O Desembargador Edson Ulisses de Melo vem através desta nota esclarecer alguns pontos a respeito da notícia “MPF/SE requer que contratos irregulares do PAR sejam anulados”. A matéria, distribuída à imprensa pela assessoria de comunicação do MPF, diz que dois filhos do Desembargador foram beneficiados irregularmente com imóveis do Programa de Arrendamento Residencial.

Conforme o Desembargador, é função do Ministério Público investigar qualquer denúncia, algo natural no processo democrático, desde que preservada a honra do cidadão. Porém, considerou estranho que o assunto – levantado em 2007 pelo advogado Jorge Rabelo, durante a campanha eleitoral para o cargo de Desembargador – voltasse à tona agora. Para ele trata-se de matéria superada.

O Desembargador enfatizou que, na ocasião, a Caixa Econômica esclareceu, através da imprensa, que o processo foi regular, já que Adriano Ulisses e Luciana Cândida Déda Chagas de Melo foram submetidos a todos os trâmites do processo de seleção estabelecidos pela Caixa: inscrição, seleção e sorteio. Assim, demonstra-se que não houve benefícios ou privilégios.

Para Edson Ulisses, é de se estranhar que o assunto ressurja somente agora. Ele informou ainda que na época da aquisição dos imóveis, os filhos eram acadêmicos do curso de Direito e estagiários do seu escritório particular de advocacia, regularmente registrados, remunerados e com impostos recolhidos, na observância da legalidade.

“O fato de serem filhos de advogados, cujo pai é atualmente Desembargador, não significa dizer que poderiam adquirir imóveis de padrão mais alto. Inclusive, na época, minha filha já era casada e ainda morava comigo. Meus filhos são pessoas trabalhadoras, que aprenderam com sua família a ganhar a vida honestamente. Estão começando a vida sem utilizar qualquer tipo de influência decorrentes dos cargos que ocupei, ocupe ou possa ocupar”, concluiu o Desembargador. 

A demanda está em curso, já tendo sido indeferida a liminar pleiteada pelo MPF. Compete ao Judiciário a decisão final.

Fonte: Ascom TJ/SE

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais