DPVAT: PM e três suspeitos presos por fraudar seguro

0

Policiais Civis da Delegacia de Defraudações concluíram nessa quinta-feira, 23, a Operação Hidra, deflagrada para prender quatro homens envolvidos com fraudes contra o seguro DPVAT, o seguro obrigatório pago por proprietário de veículos para cobrir danos decorrentes de acidentes envolvendo automotores. Entre os suspeitos, está um policial militar da ativa. As prisões foram realizadas durante operação para cumprimento de mandados judiciais.

Em regra, as fraudes contra o Seguro DPVAT, praticadas em todo o país, contam com a participação de uma pessoa responsável por cooptar os “laranjas”, que são os futuros beneficiários que, em troca de pequenas vantagens, fornecem suas contas bancárias e seus documentos pessoais para serem fraudados e utilizados na falsificação de Boletins de Ocorrências, laudos do IML, relatórios de atendimento hospitalar e Comprovantes de Residências. Todos esses documentos serviam para embasar o requerimento fraudulento a ser formulado junto à seguradora.

Após recebimento da indenização, o que se dá na conta dos “laranjas”, os valores são sacados pelo cooptador e repassados em mãos ou transferidos, em grande parte para o principal articulador da fraude, que geralmente não aparece durante a empreitada criminosa.

No caso da Operação Hidra, o suspeito de ser o principal articulador dos golpes é Diógenes Barbosa Gomes. Diógenes foi preso nas proximidades de sua residência, onde também foram presos outros dois integrantes do grupo. Na manhã dessa quinta-feira, foi dado cumprimento ao mandado de prisão do policial militar, que se apresentou espontaneamente em seu Batalhão, com o auxílio do Comando da PM.

Resta ainda pendente de cumprimento o mandado de prisão de Carlos Alberto Pereira Lima, que não foi localizado pela polícia. Segundo informações, ele fugiu para o interior do estado, onde está em local desconhecido.

A polícia está divulgando o nome e a foto de Diógenes com o objetivo de identificar outras pessoas cujos documentos ou contas bancárias possam ter sido utilizados para praticar fraudes contra a Seguradora Líder. A Polícia pede que tais pessoas busquem a Delegacia de Defraudações ou façam uso do disque denúncia (181) para denunciar o fato, caso se identifiquem em uma dessas situações.

O nome e a foto de Carlos Alberto estão sendo divulgados para que informações eventualmente fornecidas pela população possam levar a sua prisão.

O nome da operação – HYDRA – remete ao monstro da mitologia grega derrotado por Hércules, em seu segundo trabalho. O monstro possuía várias cabeças e a cada uma que era cortada surgiam duas outras no lugar, assim como ocorre figurativamente nas fraudes do seguro DPVAT. Na mitologia, o monstro foi derrotado depois que Hércules pediu ao sobrinho Iolau para que queimasse as cabeças com um tição logo após o corte, cicatrizando desta forma a ferida. Sobrou então apenas a cabeça do meio, considerada imortal. Hércules cortou e enterrou a última cabeça com uma enorme pedra.

 

 

Fonte: Ascom SSP

 

 

Comentários