Duas mulheres dizem ser mães da bebê abandonada

0
Bebê foi abandonada embaixo de uma árvore (Foto: Divulgação Samu)

A doméstica que se apresentou ao Departamento de Atendimento a Grupos Vulneráveis (DAGV), dizendo ser a mãe da bebê encontrada dentro de um saco, embaixo de uma árvore no bairro Garcia [último domingo, 16], terá que comprovar a maternidade por meio de exames. Isso porque segundo a delegada Lara Schuster, outra pessoa também teria afirmado ser a mãe da recém-nascida.

“Quero deixar bem claro que uma mulher de 39 anos compareceu ao DAGV nesta quinta-feira, 20 dizendo ser a mãe da menina, mas ainda estamos levantando. Solicitei a realização de exames, até porque ninguém viu ela grávida e ninguém a viu parindo. Sem contar que outra pessoa já teria se apresentado com mãe da bebê abandonada”, explica Lara Schuster.

Delegada Lara Schuster: "Não está comprovada a maternidade"

A delegada informou que durante o depoimento, a doméstica relatou que não sabia que estava grávida, porque menstruava normalmente.

“Ela contou que em dezembro sentiu umas dores na barriga e foi ao médico, que solicitou exame de ultrasonografia e somente em janeiro descobriu a gravidez, mas não contou a ninguém. Nem ao pai da criança, que tem outro relacionamento, nem à patroa e nem ao menos à colega que trabalha no mesmo apartamento e dormem no mesmo quarto”, destaca Lara Schuster.

Ela disse afirmou que a doméstica disse estar sozinha no apartamento quando entrou em trabalho de parto. “E que, quando a colega ligou dizendo que estava chegando em casa, ela se desesperou para esconder a criança, a tendo colocado em um saco e deixado embaixo de uma árvore”, ressalta.

Lara Schuster acrescentou que apesar de a mulher ter apresentado dois exames de ultrasom, foram solicitados outros que comprovem a maternidade.

“O inquérito foi aberto, já pegamos o depoimento, solicitamos a realização dos exames para darmos andamento, mas ainda não podemos afirmar que a mulher que se apresentou ao DAGV seja realmente a mãe da menina. O Juizado da Infância e Juventude também está acompanhando o caso para decidir se a criança irá ou não para a adoção”, completa a delegada.

A recém-nascida foi socorrida por equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), encaminhada à Maternidade Santa Isabel de onde recebeu alta e foi encaminhada a um abrigo localizado no bairro Santa Maria.

Por Aldaci de Souza

Comentários