Eletricitários protestam contra demissões em massa

0

Funcionários da Energisa fazem nova manifestação (Fotos: Arquivo Infonet)
Mais 25 trabalhadores da Energisa foram dispensados nos últimos dias e o clima na empresa é de tensão. Por conta das demissões consideradas arbitrárias pelos eletricitários, a categoria vai realizar das 6h30 às 8h desta quarta-feira, 11, um ato público na porta da empresa. Segundo o Sindicato dos Eletricitários (Sinergia), a manifestação acontecerá simultaneamente em todas as agências-pólos da Energisa, localizadas nos municípios de Propriá, Lagarto, Nossa Senhora das Dores, Maruim e Itabaiana.

A expectativa é de que as demissões sejam revertidas, pois a maioria dos dispensados tem mais de 30 anos de serviços prestados. Em três dias, 25 trabalhadores foram demitidos e os funcionários temem que novas demissões aconteçam. Conforme levantamento realizado pelos técnicos do Sinergia, no período de 2008 a 2010, foram dispensados 150, uma categoria que até

Sérgio Alves, presidente do Sinergia
então concentrava 950 trabalhadores.

O presidente do Sinergia, Sérgio Alves, afirmou que as demissões estão causando pânico entre os trabalhado. “Nós temos casos de trabalhadores que ao receber a carta de demissão passou mal, por ser portador de problemas cardíacos. Outro trabalhador foi transportado para o interior do Estado e ao receber o anúncio da dispensa foi deixado na BR, enfrentando dificuldades para retornar a capital sergipana”, lamenta Sérgio Alves.

Sobrecarregados

O sindicalista disse ainda que a empresa não está contratando trabalhadores, mas demitindo, o que vem sobrecarregando a categoria. “Sessenta trabalhadores foram acometidos por doenças ocupacionais. Muitos eletricitários estão trabalhando sem folga, ou seja, 30 dias corridos e, ainda, após essa jornada, entram em outra de sobreaviso. Os leituristas também estão sofrendo. Eles são atacados por cães ou ainda são insultados por pessoas. Outro fator é quanto aos assaltos que sofrem em áreas de alto risco e a empresa não se manifesta em dar-lhes proteção”, reclama.

Sérgio Alves afirmou que a categoria não consegue entender as demissões já que o Estado de Sergipe é recordista no aumento de consumo. “A empresa mantém altos lucros, é monopolizada e, no entanto, não respeita os trabalhadores que doaram suas vidas para o seu crescimento. Demite os mais mais antigos para contratar pessoas que se submetem a salários mais baixos, por meio de empresas terceirizadas”, complementa.

Contraponto

O Portal Infonet tentou ouvir a Energisa sobre as demissões e a informação é de que o assessor de Comunicação, Augusto Aranha, viajou para Nossa Senhora da Glória. A reportagem ligou para o telefone celular, mas como Aranha está dirigindo, ficou de dar um retorno, tão logo chegue ao destino.

Ato público

A manifestação será a partir das 6h30 em frente à sede da Energisa, à rua ministro Apolônio Sales, 81, Inácio Barbosa. Trabalhadores que desempenham suas funções nas agências-pólos, localizadas nos municípios de Propriá, Lagarto, Nossa Senhora das Dores, Maruim e Itabaiana, estarão mobilizados. Além de mini-trio, os manifestantes estarão vestidos de preto, simbolizando luto, em solidariedade aos demitidos. Também, farão a distribuição de um boletim contra as demissões, além da exposição de faixas, cartazes e adesivos. O ato contará com o apoio da Central Única dos Trabalhadores (Cut) e do Departamento Intersindical (Dieese); Advocacia Operária; Federação Nacional dos Urbanitários (FNU) e várias entidades de classe.

Por Aldaci de Souza, com informações do Sinergia

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais