Eletricitários realizam ato na porta da Energisa

0

Sérgio Alves, presidente do Sinergia

Depois de sete demissões e mais 14 previstas, os eletricitários da Energisa estão desenvolvendo as atividades em clima de tensão. As demissões em massa estão por conta do deslocamento de diversos setores importantes da empresa para os Estados da Paraíba e Minas Gerais. A diretoria do Sindicato dos Eletricitários de Sergipe (Sinergia), realiza nesta quinta-feira, 4, manifestação em frente a sede da Energisa, a partir das 7h.

Para integrantes do Sinergia, as ações adotadas pela empresa prejudicam trabalhadores e consumidores. A geração de fatura e as ligações dos consumidores para reclamações ou informações, serão transferidas para outros Estados. “Nos últimos 30 dias foram demitidos sete trabalhadores e, conforme o presidente do sindicato, Sérgio Alves, estão previstas mais 14 dispensas. A empresa não está prestigiando os sergipanos, apesar de estar batendo recorde no aumento do consumo de energia, em torno de 10%”., esclarece, acrescentando que a Energisa está sendo transformada em um galpão.

Alves citou que o setor de faturamento da empresa, responsável pela geração das contas não será mais em Sergipe e, da mesma forma, o departamento de informática, que será deslocado para a cidade de Cataguazes, em Minas Gerais. “A comunicação será mais lenta, bem como o poder de decisão, além de deixar 11 trabalhadores capacitados na incerteza com relação ao seu trabalho”.

O sindicalista afirmou que a Energisa não adquire os seus veículos em Sergipe. Todo o processo está centralizado em outro Estado, dificultando, inclusive, a manutenção das viaturas. “Com certeza, os serviços à população são prejudicados. São poucas equipes para cobrir o plantão, principalmente na área rural, registrando-se consumidores sem energia há mais de dois dias.

No que diz respeito ao setor de call center, será transferido para a Paraíba. “Como se não bastasse o fechamento de diversas agências, o call center será transferido. Imagine ao tentar fazer uma reclamação de um problema que é em Sergipe para ser resolvido por outro Estado?”.

Fonte: Ascom Sinergia

Comentários