Espécie rara de orquídea é encontrada no Junco

0
(Foto: Divulgação)

Durante expedição científica de alunos do curso de pós-graduação em Biologia Vegetal da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) foi encontrada uma espécie rara de orquídea na Unidade de Conservação Refúgio de Vida Silvestre Mata do Junco, área protegida pela Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos (Semarh). A expedição faz parte de aulas teóricas e práticas referente ao curso de campo em Taxonomia de Angiospermas (classificação de espécies de plantas com flores).

Segundo o Dr. Rafael Louzada, um dos professores que está orientando os trabalhos, essa orquídea só é encontrada na região amazônica e em uma floresta de Mata Atlântica em Pernambuco. “Essa orquídea é utilizada para ornamentação e pertence ao gênero Campylocentrum. Vale destacar que esse foi o primeiro registro da espécie encontrada no Estado”, disse o professor doutor.

Outra novidade dita por Rafael é que na realização das trilhas duas espécies de trepadeiras foram encontradas e de acordo com ele, estas, serão inseridas no Guia Ilustrado da Mata do Junco, produto aberto de caráter científico onde é possível encontrar inúmeras espécies de plantas existentes no bioma Mata Atlântica, a exemplo de ervas, arbustos, árvores, entre outras.
“Um dos objetivos desse curso é coletar material que não esteja contemplado no primeiro Guia, para poder então produzir uma nova edição ajudando por sua vez no conhecimento da flora da Mata do Junco”, afirmou Rafael, destacando que o primeiro Guia foi finalizado e divulgado no ano passado.

Para a coordenadora técnica do RVS Mata do Junco, Augusta Barbosa, a descoberta da orquídea servirá para a ampliação do conhecimento científico sobre a flora da unidade, contribuindo para a sua conservação em Sergipe.

“O curso de Taxonomia de Angiospermas realizado com estudantes da Universidade Federal de Pernambuco em parceria com a Semarh, além do conhecimento da flora, remete à importância da conservação ambiental do Refúgio de Vida Silvestre da Mata do Junco, fortalecendo ações de conservação da Mata Atlântica em Sergipe”, citou, comentando ainda que a flora brasileira, especialmente a Mata Atlântica, é riquíssima em espécies de Orchidaceae com potencial ornamental.

O secretário de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos, Genival Nunes, demonstra satisfação com o fato do Refúgio de Vida Silvestre Mata do Junco servir de centro de pesquisa para universidades de outros estados. Destaca o fato do recinto disponibilizar de uma infraestrutura como alojamento, centro de vivência, laboratório e escritório para desenvolvimento de atividades de proteção, pesquisa científica, educação ambiental e ecoturismo.

As aulas de campo irão encerrar no próximo domingo 11, sendo promovidas pelo Departamento de Botânica da Universidade Federal de Pernambuco em parceria com a Universidade Federal de Sergipe. Conta ainda com a orientação do professor doutor em Biologia Vegetal, Rubens Queiroz, da Universidade Federal da Paraíba.

Fonte: Semarh

Comentários