Esposa de Vieira inconformada com prisão

0

Esposa do PM ficou inconformada com prisão
Manhã movimentada em frente da Associação Beneficente dos Servidores Militares de Sergipe que fica ao lado do Comando da Polícia Militar no Centro de Aracaju. O motivo foi a prisão – já anunciada pelo Portal Infonet – do sargento Vieira às 8h. A esposa do Militar ficou revoltada e chorou muito a todo o momento. Os militares fizeram uma manifestação de apoio a Vieira que deve ficar preso no Comando da PM até o próximo domingo, 20.

Casada há 12 anos com o sargento Vieira, a esposa do militar Gleide Rosa Cruz chorou durante a prisão. “Ele vai ficar preso até o domingo, 20, agora vou ficar na vigília. Sinto-me revoltada, pois ele não é um bandido, só fez defender a categoria. Acompanhei todos os movimentos da categoria e estou bastante decepcionada com o comandante da Polícia Militar, nós não estamos no tempo da ditadura”, desabafou.

Militares manifestam apoio a Vieira
Segundo o capitão da Polícia Militar, Samuel Barreto, a legislação da PM é arbitrária e vai contra o direito da pessoa humana. “Não é possível um só um decidir por punições na corporação, o correto seria um colegiado de três pessoas. O chefe do Estado Maior da PM de Sergipe pode facilmente perseguir alguém. Por isso, pedimos apoio a presidente da Assembléia Legislativa, Angélica Guimarães, porque existe um projeto que já está na Procuradoria do Estado para regulamentação da corporação”, contou.

Para Samuel o sargento foi preso injustamente, pois ele apenas lutou pelos direitos dos militares. “Nós estamos dando apoio ao sargento Vieira que sempre lutou para defender a nossa categoria. O governo melhorou a polícia, mas ainda há problemas dentro da corporação por conta do regulamento”, lamentou.

Eliane Nunes disse que prisão do militar é um retrocesso na democracia
De acordo com a presidente da Associação Família Polícia Militar, Eliane Nunes, a prisão do sargento é um retrocesso na democracia. “É muita injustiça, hoje a polícia mudou, mas o regulamento é arcaico. O sargento deu a cabeça ao movimento, mas quero saber quem vai pagar os cinco dias em que ele estiver preso”, indagou.

Por Bruno Antunes

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais