Família do acusado de matar policial pede ajuda

0
Irmã de Willian não quis mostrar o rosto(Foto: Portal Infonet)

Inconformados com a morte de William Santos Gomes, 19,- acusado de participar da morte do policial Paulo Sérgio Souza de Jesus, 58,- familiares pedem ajuda para encontrar um suposto pen drive que poderia ajudar a esclarecer o crime.

Em conversa com o Portal Infonet, pai e irmã do acusado, identificados como Genivaldo Gomes e Lorrane Santos, questionam a ação da polícia e esperam que o crime seja esclarecido. “Meu irmão chegou a ligar para mãe antes de morrer. Pediu para ela encontrar um pen drive, porque ele queria se apresentar a policia levando com ele esse equipamento e para provar que ele não tinha porque matar o Paulo. Ele estava sendo ameaçado. A polícia diz que que ele morreu em troca de tiro, mas essa troca de tirso acertou só um e na testa?", questiona.

Em relação a participação do irmão, ela diz que  ele não era santo, mas que não mataria o policial. “Se a policia não tivesse matado ele, muita coisa podia ser esclarecida. Não estou dizendo que ele era santo, mas sei que quem fez o que fez com Paulo não foi ele. Agora não adianta mais. Os outros vão dizer o que quiserem e ele não teve oportunidade de dizer nada. Tomou um tiro na testa”, relatou Lorrane.

O pai de Willian diz que não tinha noção do que estava acontecendo. “A gente nunca sabe tudo que os filhos fazem, mas só sei que ele era amigo desse policial. Ele frequentava a casa de Paulo e recebia muitos presentes. Já ganhou corrente de ouro, tênis, camisa e bermuda de marca. Ele não mataria o amigo. Tem mais de cinco anos que eles se conhecem”, detalhou.

Genivaldo ainda comentou que o filho dormiu muitas noites na casa do policial. “Ele andava lá direto. Dormia lá. Ficava sozinho em casa enquanto o Paulo ia trabalhar. Não tinha porque cometer uma coisa dessas. Acho que o erro foi colocar outras pessoas lá dentro da casa. A gente espera que esse pen drive apareça e a justiça seja feita” comentou.

Troca de tiros

Carro de policial foi abandonado no Parque dos Faróis(Foto Arquivo: Portal Infonet)

Na tarde da terça-feira, 6, Willian morreu em uma suposta troca de tiros com a equipe do Complexo de Operações Policiais Especiais (Cope) em um povoado no município de Pedrinhas. Conforme a assessoria, a equipe da SSP ficou informada que o jovem, estaria escondido em uma residência em Pedrinhas e se deslocou ao local já com mandado de prisão expedido pelo Poder Judiciário.

Willian foi morto e outro suspeito se entregou à polícia, confessando participação no assassinato do policial civil Paulo Sérgio Souza de Jesus, 58, morto na madrugada do domingo, 4, com requintes de crueldade dentro da própria residência na Barra dos Coqueiros. O jovem José Lucas Menezes Conceição, 19, conhecido como Perverso, teria comparecido à Delegacia de Roubos e Furtos (Derof) espontaneamente no início da noite desta terça-feira, segundo informações da assessoria de imprensa da Secretaria de Estado da Segurança Pública (SSP).

Por Alcione Martins

Comentários