Garçom preso em SP assediou adolescente em Sergipe

0
Crime começou a ser investigado em Sergipe (Foto: Arquivo Portal Infonet)

As investigações começaram em Sergipe a partir da denúncia de uma adolescente e, nesta segunda-feira, 27, o suspeito foi localizado e preso na cidade de Campinas, no Estado de São Paulo. Ele é acusado de cometer variados crimes, inclusive pedofilia, por meio da rede mundial de computadores. De acordo com informações da Polícia Federal, o acusado é um garçom que trabalha em Campinas, tem 41 anos e seria responsável pela produção e disponibilização de imagens e vídeos de pornografia infantil.

As investigações da Polícia Federal indicam que o suspeito também praticou atos libidinosos via webcam com diferentes vítimas, todas adolescentes. Quando encontrava resistência para estes crimes, conforme a Polícia Federal, o acusado ameaçava e ofendia as vítimas.

As investigações foram iniciadas na Delegacia de Repressão a Crimes Cibernéticos da Polícia Federal em Aracaju, capital sergipana, a partir das informações prestadas por uma adolescente, que reside em uma cidade do interior do Estado de Sergipe. A adolescente denunciou que o suspeito teria divulgado vídeo com conteúdo pornográfico, depois que ela se negou a continuar realizando poses em frente à webcam para satisfazer a lascívia do criminoso.

Prosseguindo com a investigação, a Polícia Federal identificou que, por computador conectado à  internet  na cidade de Campinas, em São Paulo, o  acusado realizava contatos com várias vítimas, sempre se apresentando com perfis e nomes falsos em diferentes redes sociais pela internet. 

O homem se utilizava da história cobertura (fake), dizendo ser um garoto de 15 anos, surfista e DJ residente no Estado de Santa Catarina. Para dar ares de veracidade a sua história, o acusado teria utilizado diferentes imagens de um adolescente com as características descritas,  apresentando imagens em que praticava essas atividades, com o que conseguia atrair e ludibriar as garotas menores de idade que abordava pela internet. 

O acusado pedia as garotas em namoro e enviava presentes como livros, tênis e aparelho celular, dando maior credibilidade para a “relação”. Após, o criminoso induzia as garotas a praticar atos libidinosos em frente à câmera conectada ao computador, chegando a ameaçá-las em caso de recusa. De acordo com a PF, as ameaças dependiam do estágio da “relação amorosa”, mas geralmente consistiam em informar que divulgaria imagens comprometedoras anteriormente produzidas, fato que iriam ferir a honra e decoro das vítimas.

Identificado o endereço em que se deu a conexão do computador à internet, a Polícia Federal representou pela expedição de mandado de busca e apreensão e pela prisão preventiva do investigado. Após manifestação favorável do Ministério Público Federal, a Justiça Federal em Campinas expediu as referidas ordens.  A equipe de policiais federais compareceu à residência do preso e constatou que o mesmo era o único morador no endereço, apreendendo os materiais utilizados para a prática dos crimes.  

O preso foi conduzido à Delegacia de Polícia Federal em Campinas, onde foi interrogado e indiciado pelos crimes de ameaça e estupro de vulnerável, considerados hediondo, com base nos artigos 147 e 217-A do Código Penal, pelos quais estão previstos, respectivamente, detenção que varia de um a seis meses ou multa e reclusão, de 8 a 15 anos. O acusado também foi indiciado pelos crimes relacionados ao aliciamento de menores e à produção, divulgação e posse de imagens com cenas de sexo explícito envolvendo criança ou adolescente, estes previstos no Estatuto da Criança e do Adolescente,  artigos  241-D (reclusão de um a três anos, e multa),  240  (reclusão de quatro a oito anos e multa), 241-A (reclusão de três a seis anos, e multa), 241-B (reclusão de um a quatro anos, e multa). 

A Polícia Federal informou que a perícia a ser realizada no material apreendido possibilitará a individualização de cada um dos assédios, com o que será possível identificar em quais dos crimes acima cada uma das condutas se insere. Após ouvido, o preso será encaminhado para a Cadeia Pública do 2º Distrito Policial em Campinas, onde permanecerá à disposição da Justiça Federal. 

Com informações da assessoria de imprensa da PF de Campinas

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais