Governo lança o Parque Tecnológico de Sergipe

0

Com a promessa de se tornar um “atalho” para o desenvolvimento do Estado, foi lançado na manhã de sexta-feira, dia 12, pelo governador João Alves Filho, o Sergipe ParqTec ou Parque Tecnológico de Sergipe. A cerimônia aconteceu no prédio da Federação da Indústria, local onde o empreendimento deve funcionar provisoriamente. Nesta fase de implantação, o ParqTec vai reunir 27 empresas e instituições que assinaram protocolos de intenções com o Governo do Estado. “Sergipe ParqTec tem a finalidade de colocar nosso Estado na era do conhecimento. Ele é um empreendimento que, a partir de uma rede de alianças institucionais e de uma base física, deve criar condições privilegiadas para o desenvolvimento local”, explicou o secretário de Indústria e Comércio, Tácito Faro. Fazendo uma analogia, Faro comparou o Parque a um grande shopping center. “As lojas seriam as empresas, instituições de pesquisas e instituições acadêmicas. As lojas âncoras, por sua vez, seriam as grandes multinacionais e empresas brasileiras de grande porte”, comparou. Para construir as instalações definitivas do Parque, em uma área de um mlhão de metros quadrados, o Governo do Estado já destinou R$ 10 milhões para o projeto. “A construção inicia em janeiro”, garantiu Antônio Carlos Borges, secretário de Planejamento. Além desse aporte inicial, o Governo já garantiu outros R$ 10 milhões para serem investidos no projeto em 2005. “E através do Fundo de Desenvolvimento Regional, criado pelo Governo Federal na Reforma Tributária, nós ousamos dizer que até o fim do governo devemos investir mais R$ 60 milhões. Nunca um Parque Tecnológico no Brasil iniciou com tamanha disponibilidade de recursos”, afirmou o governador João Alves Filho. Apesar de todo o investimento, o projeto prevê que dentro de dois anos o ParqTec seja uma iniciativa auto-sustentável. “É um empreendimento onde há um tripé: Governo do Estado, instituições acadêmicas e empresariado. O governo do Estado é o órgão indutor, ele cria a base física. Durante um período as empresas serão beneficiadas pelo governo e a partir do segundo ano elas já estarão vendendo os seus produtos e pagando por sua moradia no Parque Tecnológico”, explicou Borges. Para dar forma ao projeto, o Governo do Estado fechou acordo com a Lactec, empresa paranaense que está dando todo o suporte para a criação do ParqTec de Sergipe e com o Centro Tecnológico de Bilbao, que deverá permitir que profissionais sergipanos façam especializações e intercâmbios científicos na Espanha. Além disso, o Governo promete custear cursos de doutorado aos especialistas sergipanos, em qualquer universidade do país e do exterior. “O propósito do governo com essas ações é formar uma mão-de-obra especializada, capacitada e apta a trabalhar com tecnologia de ponta”, disse João Alves. O modelo que está sendo implantado no Estado é semelhante ao existente no município de Pato Branco, no Paraná. Por conta disso, a cerimônia de lançamento contou com a presença do governador do Paraná, Roberto Requião, e do ex-ministro Alceni Guerra, que implantou o Parque Tecnológico em Pato Branco, quando era prefeito do município. Segundo Guerra, a iniciativa sergipana tem tudo para dar certo. “Acho que vocês podem marcar a data de hoje e esperar. Pois tudo o que se falou do Parque Tecnológico de Sergipe vai acontecer. E irá contaminar o Nordeste inteiro. Um parque tecnológico nunca fica isolado e nunca fica apenas na construção física. Ele contamina a região toda e provoca um desenvolvimento tão acelerado que em pouco tempo as pessoas deverão perguntar: o que aconteceu?”, descreve. Para dar uma idéia da transformação que aconteceu no município de Pato Branco, o ex-prefeito da cidade informou que antes do parque tecnológico ser implantado na localidade a cidade registrava, isso em 1991, 291º lugar na lista do Índice de Desenvolvimento Humano, o IDH. Hoje, Pato Branco ocupa o 34º lugar no IDH do país e registra o 3º melhor índice do Estado. “Isto em apenas doze anos”, descreveu Guerra. Outro benefício propalado pela implantação do Parque no Estado é o aumento da oferta de vagas para profissionais com alta qualificação. “Será um pontapé fundamental no desenvolvimento de toda essa região. Afinal, trará para este local, com facilidade, grandes pesquisadores e cientistas. Hoje, trabalham em Sergipe cerca de 200 pessoas com doutorado. No município de Pato Branco existe quatro universidade e 300 doutores atuando. Nas mais diversas áreas. Com a implantação do ParqTec nós pretendemos, no espaço de dois anos a três anos, criar cerca de dois mil empregos diretos. Agora, são empregos de alta qualificação”, descreveu o secretário Tácito Faro. Apoio às empresas sergipanas

Comentários