Granizo causa destruição no sertão

0

Casas foram destruídas em Porto da Folha / Foto:Portal Infonet
Nesta terça-feira, 12, a equipe do Portal Infonet percorreu cerca de 500 km para mostrar a devastação causada pela chuva de granizo que atingiu o sertão sergipano. A forte chuva que caiu na última segunda-feira, 11, causou prejuízos em pelo menos três municípios sergipanos. De acordo com relatos de famílias que foram atingidas pelo temporal, o fenômeno meteorológico assustou a todos e por pouco não fez vítimas em algumas localidades.  

Os municípios de Porto da Folha, distante 190 km da capital; Poço Redondo que fica 184 km e Canindé do São Francisco distante 213 km de Aracaju, foram atingidos pelas chuvas que provocaram fortes ventos, arrancando árvores, quebrando telhados e derrubando casas.

Durante esta terça-feira, 12, moradores de Porto da Folha tentaram reconstruir parte do que foi levado pela tempestade.  Os ventos foram tão fortes que a estrutura de um posto de combustível

O granizo arrancou a estrutura de um posto de combustível
foi derrubada. Segundo o gerente do posto, Vinicius Montalvão Fros, a chuva começou por volta das 20h30 desta segunda-feira, 11, e provocou estragos em boa parte da cidade.

“A chuva veio com fortes ventos e derrubou tanto a estrutura metálica do posto como parte do almoxarifado e da autopeças. Durante a chuva as pessoas ficaram apavoradas porque não sabiam o que estava acontecendo devido ao barulho e ao estrondo do vento”, relata Vinicius que contabilizava os prejuízos.

“Não sabemos o quanto vamos gastar para reconstruir o posto porque além da estrutura muitos produtos também foram molhados. A chuva também atingiu a parte elétrica e estamos sem energia”, conta o gerente.

O comerciante Hipólito Resende também passou o dia contabilizando os prejuízos causados na loja

Os fortes ventos arrancaram árvores na cidade

de eletrodomésticos. “Entrou água na loja toda, parte do telhado desabou e todos os móveis e eletros molharam. Estamos limpando tudo para tentar abrir normalmente amanhã”, planeja o comerciante.

Para a família da dona de casa Flaviana Farias da Silva a tempestade teve um prejuízo maior. Ela e o marido por pouco não foram soterrados no desabamento da residência. “Estávamos na sala quando ouvi um barulho estranho, então chamei meu marido e disse que a casa iria cair. Só deu tempo de ir para a porta quando tudo veio a baixo.  Nesse momento o vento estava tão forte que chegou a empurrar a gente para dentro da casa, mas conseguimos sair porque nos agarramos ao poste”, diz transtornada a dona de casa, afirmando que não sabe aonde vai morar.

“Por enquanto estou na casa da minha sogra, mas temos que procurar uma outra casa para alugar. Depois do que passamos só agradeço a Deus pela vida”, agradeceu Flaviana Farias.

Boa parte das casas do povoado Areias em Poço Redondo ficaram destelhadas
Poço Redondo

O município foi atingido principalmente no povoado Areias que fica distante da cidade cerca de 15 Km.  O povoado de difícil acesso, de estrada de terra, amanheceu com muitas árvores na pista e casas destelhadas.  Para o aposentado Zegino França que mora na localidade há 30 anos, a chuva da madrugada foi à pior tempestade da área.

“Uma chuva como essa nunca vi por aqui, o vento era muito forte e a gente teve que ficar escondido embaixo da cama para tentar não se machucar com as telhas que caiam. Quando amanheceu a estrada estava tomada de árvores que foram arrancadas com a força do vento”, conta o aposentado.

O agricultor Daniel dos Santos confirma que os granizos atingiram a região. “As telhas subiram e só vi quando as pedras de gelo caíram dentro de casa. O susto foi grande, na hora a gente não sabia para onde ir e nem como pedir ajuda”, afirma Daniel.

Em Canindé cerca de 40 famílias ficaram desalojadas
Canindé do São Francisco

Em Canindé do São Francisco, a chuva atingiu várias casas e deixou mais de 20 famílias desabrigadas.  A situação foi pior na região de João Pedro Teixeira, distante 25 km de Canindé, onde mais de 40 famílias foram atingidas.

O agricultor Paulo dos Santos disse que além de perder a casa, os móveis foram totalmente destruídos. “Vamos recomeçar devagar para tentar construir outra casa porque essa infelizmente perdemos”, lamenta.

Na região, os moradores também ficaram mais de 19h sem energia elétrica e muitos passaram a manhã lavando o barro que tomou conta das residências. Segundo o diretor do Departamento de Planejamento da Secretaria de Obras, Isaque Cordeiro, a secretaria está fazendo um levantamento para transferir as famílias do local.

“Desde que tomamos conhecimento dessa tragédia, estamos juntamente com as assistentes

As famílias atingidas estão sendo assistidas pela secretaria de obras
sociais do município fazendo o levantamento de todas as famílias que perderam as casas. No primeiro momento, vamos levar essas famílias para casas alugadas ou para galpões”, esclarece.

Meteorologia

De acordo com o meteorologia Overland Amaral, para os próximos dias, a previsão é de que chova em toda a parte do Estado que vai de Poço Verde a Poço Redondo até o dia 12 deste mês. Depois dessa data, as chuvas dão uma trégua e voltam a cair entre o final de janeiro e o início de fevereiro. No litoral sergipano, as chuvas seguem o mesmo cronograma, entretanto cairão no período noturno. “Ao longo desta estação as chuvas serão freqüentes”, confirmou Overland.

Por Kátia Susanna

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais