Greve dos garis: Lixos se acumulam e população reclama

0
Lixos estão acumulados em avenidas da capital (Fotos: Portal Infonet)

A população sergipana já sente os efeitos da greve deflagrada pelos trabalhadores de limpeza pública da capital. Por conta da greve, deflagrada na última quarta-feira, 07, a limpeza da cidade está suspensa. O resultado é um amontoado de lixo em praças, canteiros e até mesmo no calçadão do centro da cidade.

Quem passa pela Heráclito Rollemberg, já percebe a grande quantidade de lixo espalhados nos canteiros da avenida. A comerciante Joseane Santos está indignada com a falta de educação da própria população que insiste em não querer acumular lixo na porta das residências.

Segundo ela, a sua própria loja de roupas está servindo como depósito. “O amontoado de lixo continua em todos os lugares. Hoje, quando cheguei já tinha lixo na frente da loja. As pessoas não querem ficar com o lixo na sua porta e escolhem um local para jogar como a esquina. Isso aqui vai piorar porque mais tarde o sol vai esquentar e o mau-cheiro vai ser insuportável”, afirma.

População prefere deixar o lixo nos canteiros 

Além da comerciante, a população desaprova o fato do centro da cidade estar tomado por lixo. A dona de casa Roberta da Silva que passava pelo local, se disse indignada com o que viu. “O centro está um lixo. É um absurdo o que está acontecendo com esta greve. A população é que está sofrendo. Quero saber até quando vamos ficar com  o lixo nas nossas portas?”, indaga.

Na tentativa de resolver o impasse, representantes do Sindicato e da Torre estão reunidos na Superintendência Regional do Trabalho e Emprego (SRTE).

Braços cruzados

Por conta da continuidade da greve, os garis se mantêm de braços cruzados em frente à porta da empresa Torre Empreendimentos. A pauta de reivindicações inclui o reajuste salarial de 15,35%, concessão de plano de saúde, auxílio alimentação no valor de R$ 18 por dia, pontos de apoio para atender aos profissionais durante a jornada de trabalho e auxílio creche no valor de R$ 200.

Joseany Santos diz que o lixo é colocado nos canteiros pela própria população 

Lixos se acumulam no centro da cidade 

Francisco de Assis (ao meio) diz que a greve continua 

De acordo com um dos membros do Sindicato dos Empregados da Limpeza Pública e Comercial do Estado de Sergipe (Sindelimp), Francisco de Assis, por enquanto não há indicativo de término da greve. “A greve está mantida até segunda ordem e em comum acordo com os trabalhadores. A direção está reunida com a Torre e a nossa expectativa é que o patronal conceda os benefícios á categoria”, informa.

Por Aisla Vasconcelos

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais