IBGE: cresce expectativa de vida dos sergipanos

0
Perspectiva de vida dos sergipanos é menor que a média nacional (Foto: Portal Infonet) 

A expectativa de vida dos sergipanos aumentou em 11 anos e sete meses nas últimas décadas, mas se mantém abaixo da média nacional para ambos os sexos, segundo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), cujas informações estão contidas nas Tábuas Completas de Mortalidade do Brasil publicadas nesta segunda-feira, primeiro de dezembro, no Diário Oficial da União. De acordo com os dados do IBGE, em 1980, a expectativa de vida dos sergipanos era de 60 anos e dois meses, passando para 71 anos e nove meses no ano de 2013.

A pesquisa revela ainda que a expectativa de vida das mulheres é superior à expectativa de vida dos homens em território sergipano. A expectativa de vida ao nasc

er da população masculina que era de 57 anos e oito meses em 1980 passou para 67 anos e sete meses em 2013, enquanto a expectativa de vida das mulheres que era de 62 anos e cinco meses, em 1980, passou para 76 anos e um mês, em 2013. Enquanto a expectativa de vida dos homens sergipanos aumentou em 9 anos e noves no período, a expectativa de vida das mulheres aumentou 13 anos e seis meses, em solo sergipano.

Os dados revelam que a expectativa de vida dos sergipanos está abaixo da média nacional, tanto em relação aos homens quanto em relação às mulheres. No Brasil, a expectativa de vida para os homens que era de 59 anos e seis meses em 1980 passou para 71 anos e três meses em 2013, e em se tratando de mulheres a expectativa de vida no país passou de 65 anos e sete meses para 78 anos e seis meses, com acréscimo de 11 anos e sete meses, para homens, e de 12 anos e nove meses, para as mulheres, no período.

O Ministério da Previdência Social utiliza os dados revelados nas Tábuas Completas de Mortalidade do Brasil como um dos parâmetros que determinam o fator previdenciário, no cálculo das aposentadorias pagas pelo Regime Geral da Previdência Social. De acordo com a pesquisa do IBGE, Santa Catarina foi o Estado brasileiro que apresentou a maior expectativa de vida ao nascer para ambos os sexos, com média de 78 anos e um mês [74 anos e sete meses para homens e de 81 anos e quatro meses para mulheres].

Por Cássia Santana

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais