Internauta opina e comenta

0

Quinzenalmente o Portal Infonet divulga as opiniões e comentários dos leitores sobre alguns dos assuntos que repercutiram nos últimos dias.

Para contribuir com as discussões, basta clicar na opção “Comentar Matéria”, disponível logo abaixo de cada um dos textos publicadas pelo Portal, ou ainda, enviar um e-mail para a equipe de Jornalismo do Portal. Confira os últimos comentários:


Comentário: Rock and roll, condenado à  eternidade – Giovani Allievi

 

 

“A lista de denominações e de estilos musicais que surgiram a partir do rock and roll é extensa e só cabe em um livro de muitas páginas. Mas vale um registro: depois de passar quase 20 anos (de 1980 a 2000) sendo vilipendiado por gente obscura e modismos descartáveis, o rock and roll ressurgiu espetacularmente nos primeiros seis anos desse século graças a bandas como The Strokes, Supergrass, Franz Ferdinand, The Killers, Kaiser Chiefs e outras do mesmo naipe que buscam “inspiração” nos roqueiros pioneiros. É assim: o rock and roll sempre se renova!”

Tá tá…Strokes, Killers e Franz Ferdinand são excelentes bandas, mas daí dizer (ignorar) que na década de 90 o rock esteve exposto a “gente obscura e modismos descartáveis” é no mínimo sem fundamento. Talvez o rock nunca tenha estado tão bem representado enquanto Kurt Cobain esteve vivo. Ele sim, ressurgiu o rock da antigas e fez de novo esse ritmo levantar das cinzas.

Não só em 90, mas também não se pode deixar pra trás os anos 80. E os Sex Pistols (The Clash e tantos outros.. ) e toda a revolução punk na Inglaterra ?

Diga-se justamente que o rock teve grandes representantes: Elvis, Beatles, Rolling Stones, Who, Sex Pistols (um intervalo…), Nirvana ( Guns, Pearl Jam e Oasis ) e….mais nada. ou será que surgiu um outro Nirvana e ninguém sabe? Pelo menos pra mim, foi o final dessa banda que marcou o adormecimento do rock. Mas é claro, o movimento Indie hoje em dia está crescendo e criando braços rumo a outros estilos, excelentes bandas, ótimos músicos e, enormes sucessos…Mas não justifica.”

Tiago Fontes

 

 

Palmas
Como disse Voltaire, meu caro Giovani Allieve, “não há verdade que não haja sido
perseguida ao nascer”. Ou seria melhor “a mente que se abre a uma nova idéia jamais volta a seu tamanho original”, de Einstein?

Que o rock cresça, espalhe, explique, mude, critique, escave, desenterre, confunda, denuncie, esclareça, atinja, dissolva, remova, renasça, transforme… Rock é verbo, é ação, sempre!

Em seu dia, eu bato palmas para a música, para todo o trabalho que já foi feito em prol do rock, para seu belo texto, e para a brilhante escolha da Infonet em designá-lo para tal missão. Eu não tenho dúvidas de que o Rock and Roll está fadado [condenado] à eternidade. Parabéns!!”

José Mateus
Jornalista

 

 

“Gostaria de parabenizar o texto ‘Rock and roll, condenado à eternidade’, de autoria de Giovani Allievi. Confesso que me senti bombardeado com tanta informação e história. Tenho 16 anos, adoro rock e estou começando a pesquisar sobre o tema, já que quero conhecer cada vez mais este estilo musical que me fascina e mexe comigo. Parece eletricidade, é uma energia inexplicável. Viva o rock!!

Renato Ramos, estudante

 

 

Comentário: “Mesmice no rádio e na tv” , colunista André Barros

 

André, lendo seu artigo “Mesmice no rádio e na tv” tomei a liberdade de compartilhar contigo algumas idéias.

 

Nosso Brasil, precisa passar por uma Reforma Política urgente. Tenho até algumas idéias.

  1. nós não votaríamos mais em pessoas ou partidos, votaríamos sim, em propostas;
  2. as propostas dos candidatos ao governo federal, estadual e municipal, seriam apresentadas aos tribunais eleitorais;
  3. esse poder analisaria a real possibilidade da concretização dessas propostas;
  4. aprovadas as propostas, esse poder ficaria com a responsabilidade de apresentá-las aos eleitores, através da mídia, etc;
  5. o eleitorado teria a garantia desse poder, de que tudo o que foi proposto pelos candidatos seria realizado;
  6. dessa forma nós eleitores elegeríamos a proposta que melhor atendesse os anseios da maioria;
  7. se por acaso o executor da proposta eleita não fosse capaz de cumprir o que propôs, seria destituido do cargo e o vice ou algum promotor, etc. assumiria a responsabilidade de cumprir todas as metas pré-estabelecidas;
  8. qualquer candidato aos citados cargos, deveria atender a alguns requisitos, como ter formação em administração, etc,;
  9. os candidatos ao poder legislativo da esfera federal, estadual e municipal, deveria ter formação acadêmica em direito, etc. como vai se lidar com algo que não tem o menor conhecimento?

Essa são algumas das muitas idéias que me vêm a mente para que algo efetivamente seja mudado. Dessa forma não seria necessário se gastar tantos milhões para que esse sistema de coisas fosse mantido.

Nos debates por exemplo, ninguém tem qualquer responsabilidade pelo que está falando/prometendo. Qual a importância então, desses debates?

 

Acredito que algo será feito!”

 

Erisvaldo

 

 

 

Comentário: Leilão do Augustus , colunista Cláudio Nunes

 

“Prezado jornalista Cláudio Nunes,

 

Gostaria de parabenizá-lo pela maneira coerente e imparcial, que conduz as  matérias publicadas nesta coluna. A inteligência e o profissionalismo são fortes marcas nas citadas matérias.

Não deixe essa linha de trabalho, pois da forma como você está fazendo, terá sempre a credibilidade e o respeito dos leitores e também dos colegas de imprensa.

 

Parabéns e muito sucesso!”

 

Aeliton Santos Arimatéa

 

 


”Parabéns ao colunista Cláudio Nunes pelos seus posicionamentos firmes e
reveladores da realidade política em Sergipe. A imprensa sergipana estava necessitando de algo assim.

Continue firme em suas posições, assim sairemos todos ganhando, a liberdade de imprensa agradece.

 

A Infonet também merece nosso apoio e congratulações pela postura corajosa no acolhimento de tais posicionamentos.

 

Uma grande abraço”

 

Paulo Sérgio Nunes
Brasília – DF

 

Comentário: Gabirus de rádio, colunista Cláudio Nunes

 

“Caro Cláudio,

 

Acho essencial, em nome da profissão, desmascarar esse rádio teatro patrocinado por forças nada ocultas.

Obrigado pela citação do meu artigo.

Um abraço”

   

Zoroastro Sant´Anna

Editor-chefe

Revista SERGIPE+MAIS

 

 

“Cláudio,

 

Aguardamos com ansiedade a divulgação da “Lista dos Ratouvintes”.

Quanto a Pimenta Maratá Gota, você tem razão, conheci em Lagarto e trouxe aqui para Brasilia, pois foi a melhor que experimentei até agora.”

 

Paulo Sérgio Nunes

Brasília – DF

 

 

“Prezado Cláudio Nunes:

Parabenizando-o pela sua corajosa forma de fazer jornalismo num estado onde quase todos se vendem, gostaria de comentar seu artigo sobre os ratos de rádio que nos brindam com suas pérolas nas sofríveis manhãs aracajuanas de segunda à sexta feira.

Veja estes dois casos:

Segunda feira, o jornalista Douglas Magalhães ouvia reclamações de um suposto comerciante do mercado de Aracaju sobre roubos de mercadorias, onde denunciante e jornalista criticavam a guarda municipal culpando-a por tais roubos e uma juiza por ter negado a culpabilidade da guarda em tal tipo de eventos. Pouco depois ligou um advogado que, constituição em mão, explicou que cabe à guarda municipal a proteção exclusiva dos bens públicos municipais e não de bens particulares, mesmo que estes se encontrem em tais prédios. Explicou o advogado que a responsabilidade recairia sobre a polícia a quem cabe a atuação preventiva e ostensiva de combate ao crime.

O jornalista não gostou nem um pouco do calmo, equilibrado e fundamentado comentário do advogado e absurdamente insistiu na responsabilidade da guarda municipal.

Num outro exemplo, hoje de manhã o jornalista Jailson Santana da FM Sergipe entrevistava uma mulher que reclamava do parquímetro por ter que pagar “2 reais por meia hora de estacionamento”. O jornalista não apenas concordou com a mentira como a repetiu como se fosse verdade. Ora caro Cláudio, quem vai ao centro esporadicamente como eu, sabe que era antes do parquímetro que a gente estava obrigada a pagar estacionamentos particulares caros por 15, 20 ou 30 minutos. Simplesmente não existiam vagas na área pública. Hoje ficou muito mais fácil achar vaga e o custo por meia hora é de 45 centavos e não 2 reais como a denunciante e o mal jornalista mentirosamente afirmavam.

Para saber a resposta a sua pergunta Quem paga?, basta responder a esta outra: Quem são os donos das rádios, TV e jornais sergipanos?

O desespero das elites que mamam do estado há mais de 30 anos é tão grande que tudo se justifica. É o vale tudo da política onde a ética jornalística é simplesmente esquecida e a mentira, com nas guerras, é a primeira a sumir.

Queira Deus que em 1 de outubro possamos testemunhar a verdadeira independência política de Sergipe.
 
Abraços e siga exercendo o verdadeiro jornalismo.”
 
Juan Cordovez
Prof. Universitário

 

Resposta :

 

Juan Cordovez, bom dia. Obrigado pelas palavras elogiosas. Se você acompanha a coluna diariamente já notou que faço sempre a questão de destacar que a função principal não é apenas informar, mas também opinar e fazer com que o leitor questione fatos e ações que ocorrem na política sergipana. Lamentalvemente, grande parte da população (não só em Sergipe) assimila tudo que a imprensa publica ou exibe como verdade absoluta. É preciso questionar.
Sobre os ouvintes é uma aberração e ninguém faz nada. E neste período a Justiça  Eleitoral deveria tomar uma medida mais dura.  

 

A coluna está aberta para qualquer informação ou questionamento. Até o período  eleitoral ficarei sem escrever em jornal diário. Depois voltarei a escrever, mas não  abrirei mão da coluna na Internet. Em dois meses o número de acessos superou todas as expectativas.

Obrigado pela atenção, Cláudio Nunes”

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais