Iran é contra comercialização de armas

0

O vereador e professor Iran Barbosa (PT) sugeriu ontem que o parlamento municipal passe a discutir de maneira mais intensa a Política de Desarmamento implementada pelo Governo Federal. Antes do referendo, marcado para o dia 23 de outubro – quando a população será chamada para escolher se é ou não a favor da comercialização de armas –  o parlamentar quer realizar no dia 17 de outubro uma sessão especial para discutir alguns pontos da questão.

 

Iran, que também é presidente da Comissão de Educação e Direitos Humanos da Câmara de Aracaju, admite que é importante que o tema esteja na pauta de discussões da Casa. “Precisamos, efetivamente, oferecer mais esclarecimentos à população. É preciso esclarecer às pessoas que o tema que será objeto do referendo não versa sobre armar ou desarmar a população para combater a criminalidade em si”, alertou.

 

O vereador utilizou dados de institutos de pesquisa, universidades, Organização das Nações Unidas e Unicef para mostrar que é gravíssima a situação do Brasil com relação ao porte de armas de fogo. Segundo estudos da ONU, entre 69 países pesquisados, o Brasil ocupa o primeiro lugar no ranking dos assassinatos cometidos com uso de arma de fogo.

 

O parlamentar disse ainda que em 2003, cerca de 40 mil armas legalmente adquiridas foram parar nas mãos dos bandidos por roubo, furto e outros mecanismos. “Portanto, a história de que podemos armar os cidadãos de bem que isso não cria perigo para a sociedade é fictícia, porque as armas dos homens de bem estão indo parar nas mãos daqueles que estão à margem da lei”, opinou.

 

Um outro dado vem do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), que divulgou que o governo brasileiro gasta 10% do PIB para tratar problemas de saúde gerados por acidentes e tentativas de homicídio com armas de fogo. “Ora, 10% do PIB é o que nós, educadores, estamos reivindicando há muito tempo que seja usado na educação do país, tendo em vista que hoje só aplicamos entre 3% e 4% do nosso PIB em educação”, disse.

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais