Lixões de Aracaju e Socorro são fechados

0
Aterro sanitário fica em Rosário do Catete (Foto: Silvio Rocha)

O prefeito João Alves Filho desativou nesta terça-feira, 16, o lixão localizado no bairro Santa Maria. A briga judicial para o fechamento do aterro controlado perdurava a 13 anos no Ministério Público. O lixão da Terra Dura, que existia desde 1986, passou a funcionar como aterro controlado em 2003. Para o despejo dos resíduos foi instalada uma Unidade de Trasbordo em Nossa Senhora do Socorro, posteriormente, o lixo segue para o aterro Sanitário em Rosário.

Um dia histórico para os aracajuanos e para a população de Nossa Senhora do Socorro. Uma vitória conquistada com a união das duas prefeituras pelo benefício do povo. O prefeito João Alves ressaltou a importância ambiental da implantação do aterro sanitário. "Hoje é um dia de grande alegria para os moradores de Aracaju e de Nossa Senhora do Socorro. Aracaju é a primeira capital do Brasil a ter o lixo todo processado. O lixo é um dos principais problemas do mundo. Ele é um dos maiores causadores do aquecimento global por provocar um dos gases mais letais que existe para o meio ambiente que é o metano, considerado pior até mesmo que o Gás Carbônico. Estamos contribuindo para a saúde do mundo".

Lixo vai passar pela unidade de transbordo, antes de seguir para o aterro

O prefeito de N. S. do Socorro, muito satisfeito com o resultado da parceria com a Prefeitura de Aracaju, disse que desde que assumiu a o governo de Socorro quis resolver os problemas ocasionados pelo lixão no bairro da Palestina, mas que apenas iria apoiar projetos ambientalmente corretos. "Não podíamos resolver um problema com outro problema. O ano passado houve uma decisão judicial que determinava o fechamento dos lixões do Santa Maria e da Palestina. Na época, a PMA recorreu da deliberação, mas nós de Socorro fizemos um acordo que fecharíamos o lixão. Estamos cumprindo hoje o que prometemos", informou Fábio Henrique enfatizando que a união das duas prefeituras resultou na resolução de uma questão que sujava a história da região.

N. Sra. do Socorro

Nesta terça, 16, o prefeito Fábio Henrique fechou a lixeira da Palestina, representando o avanço, o crescimento e a modernidade do município. Para marcar a data, Fábio Henrique participou de uma solenidade na sede da Estre, no povoado Tabocas.

"Estamos virando uma página na nossa história. Um município moderno e que cresce como Socorro, não pode ter uma lixeira. A partir de agora, lixão nunca mais!", enfatizou Fábio Henrique. Em 2003 foi feita uma Ação Civil Pública com o objetivo de encerrar as atividades do lixão da Palestina. Já em 2006, foi assinado um Termo de Ajustamento de Conduta e em 2011, a Justiça Federal condenou Aracaju e Socorro determinando o fechamento das lixeiras das duas cidades.

A partir de agora, todo o lixo produzido em Nossa Senhora do Socorro será levado por caminhões para a Unidade de Transbordo da Estre Ambiental, que fica no povoado Tabocas. Lá, ele será separado. O que é seco seguirá para a reciclagem e o orgânico através de caminhões para o aterro sanitário na cidade de Rosário do Catete. "O lixo não terá contato com o solo de Socorro. O transbordo é um local ambientalmente correto com todas as licenças aprovadas", destacou Fábio.
Pioneirismo

Durante a solenidade de fechamento do lixão da Palestina, o prefeito Fábio Henrique destacou que o município de Nossa Senhora do Socorro é o primeiro do Estado a desenvolver um Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos. "Estamos preocupados com o descarte dos resíduos sólidos e esse Plano, o primeiro a ser desenvolvido por um município de Sergipe, vai definir as diretrizes para o descarte do lixo nos próximos anos", afirmou.

Tratamento

Os Lixões dos bairros Santa Maria e Palestina foram realocados para um grande aterro sanitário, em Rosário do Catete, administrado pela Estre Ambiental. O processo de tratamento desses dejetos será feito em duas partes. Primeiro, transporta-se o lixo urbano de Aracaju e Socorro para carretas com capacidade para receber até cinco caminhões de lixo, com isso se consegue reduzir o custo em até 71%. Essa etapa inicial se dá na Unidade de Transbordo, localizado no povoado Tabocas, em Socorro. De lá, este segue para o grande aterro. A área com 150 hectares está instalada no município de Rosário do Catete, a 27 km da capital, obedecendo a regra estabelecida pela Infraero de que este deveria se localizar a uma distância mínima de 20km do aeroporto.

Com informações das assessorias de comunicação

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais