Maconha apreendida pode ter vindo do Paraguai

0

A maior apreensão feita em Sergipe Foto: Portal Infonet
Na manhã desta segunda-feira, 22, o delegado da Polícia Federal (PF), Marcos Custódio, afirmou que os 314 quilos de maconha apreendidos na manhã do último domingo, 21, no município de Poço Verde, região Centro Sul do Estado de Sergipe, distante 145 Km da capital, podem ser de origem paraguaia. A suspeita é por conta da rota entre Mato Grosso do Sul e o País.

De acordo com o delegado a operação da PF foi fruto de denúncia anônima que informou aos policiais as placas dos carros que estavam transportando a droga. No momento da abordagem os quatro homens presos estavam em dois carros com placas do Ceará.

Os presos foram identificados como José Ricardo Brites Centurion e Leandro Cesar Capoano Nugoli,

A droga estava escondida na Saveiro
ambos do Mato Grosso do Sul. Walter Sandis Túlio natural do Paraná e Francisco das Chagas da Costa Cavalcante do Ceará.

Os veículos foram um Saveiro, placa HYL 8323 e um Eco Sport HXR 0332. A polícia ainda investiga se os presos eram proprietários dos carros. Segundo informações a droga estava escondida em um móvel que vinha no Saveiro, já o Eco Sport estava apenas dando segurança aos ocupantes do outro veículo.

Os presos foram identificados como José Ricardo Brites Centurion e Leandro Cesar Capoano Nugoli, ambos do Mato Grosso do Sul. Walter Sandis Túlio natural do Paraná e Francisco das Chagas da Costa Cavalcante do Ceará.

Marcos Custódio disse que os homens não tentaram fugir, mas estavam nervosos e confessaram que a droga tinha como origem o Estado do Mato Grosso do Sul, e como destino o Estado de

Os ocupantes do Eco Sport estavam fazendo a segurança do outro veículo
Sergipe, local onde seria negociada.

“Pela grande quantidade da droga é possível que ela fosse abastecer a região nordeste. Estamos investigando também quem iria receber a droga”, diz o delegado, salientando que a maconha é de forte potencial e que provavelmente seria comercializada por usuários mais seletos ou seria misturada.

Os quatro homens foram encaminhados a uma unidade prisional do Estado onde segundo o delegado podem cumprir pena de 10 a 20 anos por tráfico interestadual de drogas e associação para o tráfico.

Por Kátia Susanna

Comentários