Marquise: Audiência é encerrada sem conciliação

0

Advogada Janete Oliveira considera que há um jogo de empurra (Fotos: Portal Infonet)
Terminou sem uma conciliação a audiência realizada na tarde desta quarta-feira, 19, no Fórum Gumersindo Bessa, para tratar do caso envolvendo a queda de parte da marquise da Loja Esplanada, que acabou vitimando a dona-de-casa Vanusa Silva dos Santos, 30 anos, em julho de 2010.

Compareceram à audiência o viúvo João Batista Santos Nascimento, acompanhado da advogada Janete Oliveira, além dos representantes da loja Esplanada e da SS Engenharia, juntamente com os advogados.

Para a advogada Janete Oliveira nenhuma das duas empresas envolvidas no processo querem se responsabilizar pelo caso. “Não se apresentou nenhuma proposta concreta que pudesse ser discutida e por isso a conciliação foi dada como encerrada. A SS Engenharia fez uma proposta ínfima, já a Esplanada preferiu silenciar. O que acontece é um jogo de empurra. Agora, o processo vai para a mão do juiz, que vai analisar e ouvir as partes para que depois seja dada a sentença final”, informa a advogada.

O viúvo João Batista Santos diz que há momentos em que falta comida
Mesmo após cinco meses da tragédia, o viúvo João Batista Santos diz não saber o que fazer. “A situação está difícil, porque trabalho como encanador quando posso e tenho cinco filhos para criar. O aluguel está atrasado e em minha casa falta até alimento para dar as crianças. Essa conciliação era muito importante, mas acredito que tudo dará certo e Justiça será feita”, diz João Batista.  

O processo que trata da responsabilidade pela tragédia, continua em andamento na Vara Criminal.

Relembre o caso

A tragédia ocorreu no dia 26 de julho de 2010, quando Vanusa Silva dos Santos, 30 anos, passava por baixo da marquise da loja Esplanada, juntamente com dois filhos, quando parte da dela desabou. Com a tragédia, Vanusa Silva veio a óbito no local e os filhos ficaram feridos, sendo encaminhados a um Hospital da capital.

Comentários