Moradores de Pirambu debatem orçamento do próximo ano

0

Moradores durante a votação
O interventor da administração municipal de Pirambu, Moacir Santana, reuniu na manhã de hoje, 15, os moradores da cidade, durante audiência pública, para discutir e definir o destino dos R$ 20,7 milhões que deverão ser investidos no município em 2008.

Durante a audiência ocorreram debates acalorados entre os participantes quanto aos gastos feitos pela gestão anterior. Ao longo de todo o encontro, Moacir fez questão de ressaltar os desmandos que ainda tem encontrado na Prefeitura de Pirambu. Bem humorado chegou até a brincar com a secretária de Ação Social, Sandra Maria, ao comentar sobre ações futuras em relação aos idosos. “De preferência sem álcool viu Sandra!”, se reportando a uma lista de compras para a festa dos idosos do município na gestão anterior regada a cerveja, whisky e Caninha 51 (aguardente).

Debate durante a audiência pública
Moacir garantiu e foi aplaudido pelos presentes quando avisou que não pagará a última parcela do repasse feito ao time de futebol do Pirambu. De acordo com ele, todo o recurso do desporto e lazer nos exercícios de 2005 e 2006 e até junho de 2007 foram todos investidos no time de futebol da cidade, campeão sergipano do ano passado.

Entre os pontos que ficaram definidos, após uma grande discussão entre os moradores, é que a Prefeitura contratará um pediatra já que no município não existe um especialista nesta área.

“Estamos discutindo função por função exaustivamente com a população para que eles demonstrem o que querem na aplicação de recursos em 2008”, disse Moacir Santana. Ele também avisou que mais uma despesa chegou à Prefeitura. A Previdência Social está cobrando, judicialmente, uma dívida de R$ 447 mil que junta-se aos outros mais de R$ 7 milhões de débito com o INSS.

Demonstrativo de investimentos
Para Moacir, o momento é de dotar o município e de recuperar a infra-estrutura, devolvendo a normalidade aos munícipes. Sobre os dois meses como interventor do município, que serão completados amanhã, 16, ele disse que a experiência de colocar em ordem uma casa que estava totalmente desarrumada tem sido um ponto positivo na sua breve administração.

O ponto negativo, para Moacir, é que a cada dia que se planeja desenvolver o trabalho descobre algum tipo de irregularidade. “Isso dificulta porque vai atrasando o trabalho da equipe de intervenção”, concluiu.

Por Paulo Rolemberg

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais