Moradores fecham a rodovia João Bebe Água

0
Galhos de árvores impedem o tráfego (Fotos: Cássia Santana/Portal Infonet)

Foi interrompido mais um vez o fluxo de veículo na rodovia João Bebe Água, que liga o município de São Cristovão à capital, Aracaju. Na manhã desta segunda-feira, 16, moradores da área conhecida como Cantinho do Céu, no povoado Cabrita, colocaram galhos de árvore e atearam fogo em protesto à decisão judicial pela reintegração de posse da área que, segundo os moradores, está ocupada há quase 24 anos.

A decisão pela reintegração de posse é assinada pelo juiz Antonio Cerqueira de Albuquerque, da Vara Cível de São Cristovão, em benefício do empresário Bosco Teles, que ingressou ação informando que a área teria sido invadida no dia 19 de julho de 2008, quando, segundo os argumentos do empresário, foram demarcados lotes e construídas casas em terreno que, supostamente, lhe pertence.

De acordo com os moradores, a área foi ocupada há cerca de 24 anos, beneficiando 217 famílias de agricultores.

Condutores ficam impossibilitados de prosseguir viagem

O agricultor Jadiel Santos, que figura como réu representante do Movimento Sem Teto, está desesperado. “Aqui não tem liderança, somos todos nós e eu quem recebi a notificação, me colocaram como grileiro, chefe do MST”, considerou o agricultor, questionando o resultado da ação judicial.

Policiais militares e da Companhia de Policiamento de Trânsito estiveram no local para evitar maiores transtornos. “Vamos conversar com o pessoal e observar o que está acontecendo”, resumiu o subtenente Fábio Pinto, que está comandando a equipe que se encontra no local tentando negociar a desobstrução da pista, que permanece interditada.

O agricultor Lucivaldo Ferreira informou que as famílias permanecem concentradas no local aguardando alguma decisão que os beneficie. “Queremos que alguém do governo venha por aqui e encontre uma solução. A gente não pode sair assim. A nossa vida está aqui”, diz o senhor Lucivaldo.

Policiais tentam negociar liberação de pista

Mas na decisão, o juiz Antonio Cerqueira entende que, durante o processo judicial, os réus entraram em contradição e chegaram a declarar quesão efetivamente invasores da terra. “O primeiro fato indubitável nestes autos é que os réus são invasores, fato confessado em todas as manifestações dos autos, até mesmo na contestação”, observou o magistrado na ação.

Ao conceder a liminar, o juiz concede prazo de 48 horas para cumprimento, com a possibilidade do uso de força policial para a retirada das famílias. Na decisão, o juiz determina que a Companhia de Saneamento de Sergipe (Deso) e a empresa distribuidora de energia elétrica, Energia, efetuem a suspensão do fornecimento de energia elétrica e do abastecimento de água, classificados como ligações clandestinas.

Os agricultores questionam e garantem que as ligações são regulares e que cada morador paga regularmente a fatura pelo consumo de água e energia. “Vem certinho o talão de água e energia”, diz dona Creuza Leão, também agricultora.

Agricultores garantem que ocupam área há quase 24 anos

O Portal Infonet tentou ouvir o empresário Bosco Teles, mas não obteve êxito. O Portal permanece à disposição. Informações devem ser enviadas por e-mail jornalismo@infonet.com.br ou por telefone (79) 2106 – 8000.

Por Cássia Santana

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais