Nível de credibilidade no MP é confirmado por pesquisa

0

O Ministério Público divulgou nota informando que uma pesquisa realizada pelo Ibope, no primeiro semestre deste ano, apontou o MP como a quarta instituição com maior credibilidade, superada apenas pela Igreja Católica, Forças Armadas e Imprensa, que estão tecnicamente empatadas na liderança.

 

A pesquisa encomendada pela Associação Nacional dos membros do Ministério Público – Conamp – revelou, também, que os Poderes Legislativo, Executivo e Judiciário são os que mais desfrutam de menor credibilidade junto à população, ficando atrás das Igrejas Evangélicas, dos Advogados e da Polícia.

 

O trabalho de pesquisa envolveu duas mil entrevistas realizadas em 145 municípios de cinco regiões do país, apresentando intervalo de confiança estimado em 95% e margem de erro máxima de 2,2 pontos percentuais para mais ou para menos sobre os resultados encontrados no total da amostra. Para a maioria dos entrevistados, o Ministério Público deve realizar diretamente investigações criminais.

 

Segundo a opinião de 68% das pessoas consultadas, os promotores e procuradores de Justiça deveriam investigar todos os crimes, contra o entendimento de apenas 4% que defendem a exclusividade da investigação pela polícia. Os entrevistados elegeram, ainda, áreas prioritárias para a ação do Ministério Público. O combate ao crime em geral liderou o ranking, seguido do combate à corrupção da defesa da infância e juventude, idosos e deficientes.

 

Sobre a polêmica questão de poderem os promotores e procuradores de Justiça divulgar à população dados a respeito de investigações ou processos em que o Ministério Público esteja atuando, salvo os protegidos por sigilo, a pesquisa revela que 78% dos entrevistados são favoráveis a divulgação, portanto, contrários a qualquer tipo de mordaça.

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais