“O Anjo linguarudo com as asas quebradas que quer voar”

0

Este é o nome do evento realizado pelo Centro de Oncologia do Hospital João Alves, em parceria com a Secretaria de Estado da Educação. O projeto tem como objetivo estimular o processo educacional das crianças com câncer do Hospital João Alves. Os educadores envolvidos no Projeto irão trabalhar os conteúdos educacionais, estimulando os valores positivos, combatendo com isso a depressão, a ansiedade e a insegurança, sentimentos comuns em pacientes infantis portadores de câncer. Em entrevista ao Portal InfoNet, George Caldas, diretor do Hospital João Alves, fala dessa iniciativa. PORTAL INFONET – Fale um pouco dessa parceria entre o Hospital e a Secretaria de Educação. GEORGE CALDAS – O projeto se chama “O Anjo linguarudo com as asas quebradas que quer voar”. Esse projeto é uma pareceria entre o Centro de Oncologia e a direção do Hospital João Alves Filho e a Secretaria de Estado da Educação, na pessoa do secretário Nilson Socorro, que desde o início apoiou este projeto. “O Anjo linguarudo com as asas quebradas que quer voar” visa principalmente atender àquelas crianças que estão internadas no Hospital sendo submetidas a tratamentos de câncer, para que elas tenham, durante o internamento, uma continuidade do período escolar, não interrompendo o seu ciclo de informação. Essas crianças serão educadas dentro do nosso Hospital com fábulas, contos, fitas de vídeo, teatros, com artes, fantoches e uma série de atividades que estão sendo desenvolvidas junto ao setor de psicologia e ao setor educacional, que está sendo montado pela Secretaria de Estado da Educação. Com isso, dentro do ambiente hospitalar, ela continua o seu ciclo de informação tendo estímulo, contando com a transmissão de confiança e motivação, para que quando ela volte a suas atividades, possa ser reinserida no contexto educacional, tendo apoio, inclusive, dos psicólogos do Hospital. PORTAL INFONET – Antigamente existia algum tipo de atividade educacional com essas crianças? Como é que o Hospital trabalha o apoio aos pais? GC – Nós tivemos sempre um centro de apoio, não somente aos pais, aqui da Oncologia – dando apoio pedagógico e psicológico durante o internamento das crianças. Os pais acompanham as crianças em todas as fases, tendo toda a alimentação e suporte, justamente o apoio que eles precisam durante a fase em que as crianças estão internadas no Hospital. O Centro de Oncologia, e principalmente a Oncologia Pediátrica, sempre teve um caráter educacional voltado para a melhoria do ambiente hospitalar, que é o projeto de humanização que o Hospital tem, e que hoje se estende para a formação propriamente educacional, ou seja, trazer a escola até o hospital, ajudando a criança durante o período que ela está internada a continuar o seu ciclo de estudos e, quando ela voltar, que seja reinserida em sua classe na escola, no seu nível de ensino, sem que haja um prejuízo enquanto ela estava fazendo tratamento. PORTAL INFONET – Quantas crianças são atendidas pelo Hospital e pelo projeto? GC – Na verdade temos 20 leitos de Oncologia Pediátrica, onde estão as crianças que precisam estar internadas, mas o número de crianças atendidas é muito maior em nível ambulatorial. Fora esses 20 leitos, temos mais 60 no setor de pediatria e que também dão a essas crianças um acesso e suporte. O projeto de aumento do número de leitos é para o futuro, mas já está na pauta de toda a direção. Mais informações pelos telefones (0xx79) 216-2600 / 216-2909.

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais