OAB/SE explica caso de emissão de boletim de urna

0

Walmir e César durante coletiva
Para rebater as denúncias feitas pelo candidato a vaga de desembargador, advogado Edson Ulisses, referente a violação de uma das urnas utilizadas nas eleições ocorridas no último dia 7, o presidente em exercício da Ordem dos Advogados do Brasil, Seccional Sergipe (OAB-SE), Walmir Macedo, reuniu a imprensa para esclarecer o fato. O presidente nacioanl da Ordem, Cezar Britto, também participou da entrevista.

Segundo Macedo, não houve a ocorrência de violação das urnas. Ele explicou que as urnas encontravam-se depositadas na sede da OAB desde o dia da eleição, 7 de dezembro, até o dia 11, mas por uma questão de segurança e prudência, o presidente licenciado Henri Clay Andrade preferiu levé-las para o Tribunal Regional Eleitoral (TRE). Ele disse ainda que no momento de devolução das urnas, os serventuários do Tribunal constataram que as urnas encontravam-se invioladas e passaram a adotar o procedimento de lacração.

Macedo relatou que no momento que fazia o lacramento das urnas, um dos servidores emitiu, involuntariamente, dois boletins de urnas. “Foi no momento de procedimento de lacração das urnas que ocorreu esse acidente”, justificou. “No entendimento da OAB não houve violação”, afirmou o presidente em exercício. Ele ressaltou que a partir do momento que houve a emissão dos boletins, os mesmos foram lacrados e entregues ao presidente Henri Clay.

Para Macedo, existem contradições comprovadas nas acusações do advogado Edson Ulisses. Segundo ele, na reportagem publicada no jornal Cinform desta segunda-feira, 24, o candidato a desembargador disse que procurou o TRE na segunda-feira, 10, três dias após as eleições para denunciar a violação da urna, no entanto o fato só viria a acontecer no dia 11. “Essa situação é completamente incompreensível que vai ficar a cargo do candidato Edson Ulisses essas explicações”, frisou Macedo.

Cezar Britto

O presidente da OAB nacional, Cezar Britto, foi mais duro nos comentários quanto as denúncias de Edson Ulisses. Ele lamentou que uma eleição para o cargo de desembargador tenha gerado tantos fatos desagradáveis.

Segundo Britto, o candidato Edson Ulisses distorceu o fato da violação da urna com a intenção de agredir e macular a honra do presidente da OAB/SE, Henri Clay. “Nós não tínhamos dúvidas nenhuma que o candidato Edson Ulisses de Melo ao distorcer, propositadamente, os fatos, induzindo em erro toda a imprensa e a opinião pública sergipana, agiu com o claro propósito de agredir e macular a honra do presidente Henri Clay”, afirmou o presidente da OAB.

“Não satisfeito seu grupo de tentar destruir a OAB, não satisfeito seu grupo de atingir a família do presidente, não satisfeito com isso ingressou nos mais complicados instrumentos de ataque ao ser humano que é sua honra… conscientemente distorceu a verdade”, disse Cezar Britto.

Veja declarações de Cezar Britto:


Enquanto carrega é normal o audio/vídeo aparecer pulando e aos poucos.
Após completar o downloado clique em play para reproduzir corretamente.

Por Paulo Rolemberg

Leia na íntegra Nota Oficial da OAB/SE:

 

Comentários