Obras da pista na BR-101 serão entregues somente em 2015

0
Depois de mais de dois meses o laudo pericial do desabamento dsa da pista não está pronto (Foto: Portal Infonet)

As obras para reconstrução da pista da BR-101, no município de Nossa Senhora de Socorro, deverão ser entregues até fevereiro de 2015. Esta previsão é feita pelo superintendente do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), José Otávio Soares, ao explicar os prazos necessários para terminar o laudo pericial, edital e obras.  O asfalto no Km-94, no sentido Aracaju-Salvador, cedeu em junho e desde então o tráfego permanece em meia pista.

O DNIT está trabalhando o edital para que possa contratar a recomposição do aterro por pregão eletrônico. “Dessa forma, o edital será rápido e poderemos contratar o serviço de recomposição do aterro no mês de outubro. A obra deve demorar de 90 a 120 dias, devendo ser entregue entre janeiro e fevereiro de 2015”, explica.

Laudo

Depois de 78 dias do desabamento da pista, o DNIT terminou hoje, 9, a coleta de material necessário para fazer o laudo pericial do motivo do acidente. A empresa contratada para esta retirada e avaliação de material,- a Sonda Engenharia,- entregará em uma semana as informações necessárias para que a comissão do DNIT possa finalizar o laudo. “Já o laudo completo, com a causa e o eventual responsável pelo desabamento da pista, será divulgado até o dia 30 de setembro”, confirma o superintendente.

Ao justificar a demora na coleta deste material para análise, Otávio Soares disse que foram necessárias várias etapas para que a avaliação seja feita de forma correta. “Estamos tomando todo cuidado porque é uma região de solo mole. Temos que refazer a recomposição sem chance adicional de erro”, explica.

A comissão do DNIT, formada para avaliar o caso e preparar o laudo, entendeu que existia uma necessidade de contratação de uma empresa para avaliação de perto do material. Otávio Soares explica que somente com algumas informações do material retirado é que será possível acusar se o desabamento da pista foi provocado por uma questão fortuita, construtiva ou algum problema no projeto. “Caso seja confirmada uma falha teremos que abrir um processo de apuração de responsabilidade, instauraremos um inquérito”, diz.

Por Raquel Almeida

Vídeo: Eliene Andrade e Manoela Veloso

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais