“Para lutar contra a Aids, tem que vestir a camisa”

0

Nesse domingo, dia 1º de dezembro, é comemorado o Dia Mundial de Luta contra a Aids. Nesse dia, pessoas de diversas partes de todo o mundo estarão desenvolvendo atividades educativas e de conscientização. Em Sergipe, o coordenador Regional do Departamento de DST/Aids, Almir Santana, estará trabalhando junto a diversas atividades, que envolvem palestras, caminhadas, panfletagem, dentre outras. “Para lutar contra a Aids, tem que vestir a camisa. Estamos em um período de mobilização. Em todo o mundo, existem cerca de 42 mil pessoas infectadas com o vírus da Aids. Apesar de termos mais de 20 anos de epidemia no mundo, o preconceito ainda é grande”, diz Almir Santana. Segundo ele, a cada minuto, 10 pessoas se contaminam no mundo. “O acesso à camisinha tem que ser para todo o mundo, mas infelizmente isso não acontece em muitas localidades. As DSTs são uma porta aberta para a Aids e se as pessoas não cuidarem das DSTs, elas não cuidarão da Aids”, diz ele. No Estado de Sergipe existem 500 pessoas em tratamento atualmente, sendo que o número total de infectados chega a 883. “Mais de 70 pessoas deixaram o tratamento no ambulatório por causas mínimas, como a falta de dinheiro ou vale-transporte para se deslocarem para o tratamento. É preciso que seja criado um programa social para assistir a essas pessoas”, diz ele, ressaltando que nem todas as pessoas infectadas necessitam de tratamento. Citando a possibilidade de reinfecção, Almir Santana diz que é possível que isso aconteça. Segundo ele, uma pessoa infectada com o vírus da Aids, ao ter relações sexuais com outros infectados, pode se reinfectar e dobrar as dificuldades no tratamento.

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais