Perícia emite mais de 160 laudos a partir de exames de DNA em SE

0
Exame de DNA foi fundamental para identificação da autoria de um atropelamento no interior do estado (Foto: SSP/SE)

Um fio de cabelo de uma vítima de atropelamento, encontrado no parachoque de um veículo, foi essencial para que o autor do crime fosse identificado. Com a coleta do material biológico, feita pelo perito de local de crime, e com os exames feitos pelo Laboratório de Genética Forense do Instituto de Pesquisas e Análises Forenses (IAPF), chegou-se à conclusão de que o veículo estava envolvido no atropelamento. Esse foi apenas um dos 162 laudos emitidos por meio de exames de genética forense no IAPF em 2021.

De acordo com o levantamento feito pelo IAPF, em 2021, dos 162 laudos emitidos, 117 foram relacionados ao confronto de vestígios, nos quais foram realizadas 276 análises. Já no tocante aos crimes sexuais, no ano passado foram feitos 20 exames que resultaram na emissão de 13 laudos periciais. No campo da identificação humana por meio de restos mortais, foram feitos 79 exames que geraram 26 laudos. A seção também fez 16 exames que originaram seis laudos de paternidade criminal.

A perita criminal Juliana Lamartine relembrou o caso em que o exame de DNA subsidiou as investigações de um atropelamento no interior do estado. “Foi feita uma perícia em nosso laboratório de um caso de atropelamento em que o suspeito fugiu do local e um fio de cabelo, que estava no veículo, foi coletado pelo perito de local de crime e foi encaminhado para o laboratório de genética, onde foi feito o exame de DNA. O resultado foi positivo e contribuiu para a elucidação do crime”, detalhou.

Juliana Lamartine também detalhou que no IAPF são realizados exames pericias que ajudam na identificação das pessoas envolvidas em um crime ou outras situações que demandam investigação. “No setor de biologia forense são realizados exames de pesquisa de sangue humano e de sêmem. Na genética, são feitas perícias relacionadas a crimes sexuais, paternidade criminal, confronto de vestígios e identificação humana, além de banco de desaparecidos. O laudo pericial vai auxiliar na materialização da prova contribuindo para a elucidação do crime”, acrescentou.

“Ademais, o Laboratório de Genética Forense também participa de três projetos do Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP), como o Projeto Desaparecidos; o Projeto Backlog de Crimes Sexuais; e o Projeto dos Condenados”, concluiu a perita criminal Juliana Lamartine.

Fonte: SSP/SE

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais