Peritos da Força Nacional atuarão em Sergipe

0
Os peritos vão auxiliar no Instituto de Criminalista (Fotos: Portal Infonet)

A partir desta sexta-feira, 6, peritos da Força Nacional de Segurança atuarão no Instituto de Criminalística de Sergipe. Ao todo, quatro peritos, sendo dois papiloscopistas, um criminal e um de comparação balística vieram a Sergipe auxiliar os trabalhos do Instituto de Criminalista, por conta da adesão do estado de Sergipe ao Programa do Governo Federal Brasil Mais Seguro.

Após a Copa do Mundo, Sergipe irá receber mais quatro profissionais da Força Nacional, sendo três peritos criminais e um papiloscopista. Os profissionais ficarão à disposição do estado até o final do ano.

De acordo com a coordenadora da Delegacia de Homicídios, a delegada Tereza Simony, a vinda dos peritos vai agilizar os processos. “Tanto agilidade quanto a qualidade dos laudos periciais. Isso vai nos ajudar a colaborar com o nosso trabalho, que já é feito com uma certa qualidade porque apresentamos ano passado mais de 50% de elucidações, casado com os laudos periciais e provas robustas. Isso vai nos trazer uma qualidade até para as futuras condenações desses investigados”, afirma.

Adelino Lisboa fala do trabalho dos profissionais

O coordenador de Perícias de Sergipe (Cogerp), Adelino Costa Lisboa, destacou o trabalho dos peritos. “Aqui teremos um de microbalística para dar mais celeridade aos processos parados no Tribunal de Justiça. O outro perito vai integrar os locais de crime e orientando os peritos. Já dois papiloscopistas acompannharão diuturnamente os locais de crime”.

Concurso

Quanto ao concurso para o provimento no cargo de efetivos pertencentes ao Quadro de Carreiras de Atividades Periciais da SSP, composta pelo Instituto de Investigação, Instituto de Criminalística e do Instituto Médico Legal, o coordenador de perícias da Cogerp, Adelino Lisboa, informou que o resultado final sairá ainda este semestre.

“Dia 1 de julho é o prazo que está especulado para dar o resultado final do concurso. O edital consta que o profissional passará por 240 horas de treinamento. Esse quantitativo seria uma carga horária que deixaria o profissional preparado para atender algumas demandas, todavia no local de crime que são locais adversos, vamos treinar esse pessoal para ser mais especifico”, afirma.

Por Aisla Vasconcelos

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais