Petroleiros em greve por tempo indeterminado

0

A greve dos petroleiros é por tempo indeterminado
A greve dos petroleiros e dos servidores terceirizados da Petrobras teve inicio na manhã desta quinta-feira, 15. Os petroleiros reivindicam um reajuste para o acordo coletivo de 2009/2010 correspondente a 23%. Tabela única de salários para os trabalhadores da ativa, aposentados e pensionistas e acordo único para os trabalhadores do sistema Petrobrás.

De acordo com o diretor do Sindipetro, Fernando Borges, a greve é nacional e deve continuar de acordo com a avaliação do movimento por tempo indeterminado. “Existe um acordo coletivo na mesa de negociação que inclui o aumento do salário como também o cumprimento das clausulas sociais para todos os servidores”, destacou.

O diretor do Sindipetro Fernando Borges
Segundo outro diretor do Sindipetro, Jomar Nascimento Ramos, a empresa está requerendo na justiça uma cobrança ilegal de cerca de um milhão de reais referente às greves. “Essa cobrança está sendo feita aos sindicatos de Sergipe e Alagoas e estamos querendo que a empresa retire essa cobrança. Outra questão que esta na pauta das reivindicações é o aumento diferenciado por região que a empresa quer fazer. Não vamos aceitar que o salário diminua por nível de região”, disse.

Os terceirizados também apoiaram a greve dos funcionários da Petrobrás. Para Jomar Nascimento é impossível começar uma luta sem o envolvimento dos terceirizados. “Outra questão é essa discriminação dos terceirizados porque hoje na empresa seria impossível fazer uma greve sem o apoio dos terceirizados, porque para cada funcionário efetivado existem quatro terceirizados trabalhando”, salientou.

O terceirizado Aneilton Avelino diz que os salários são baixos

Trabalhando como terceirizado há 16 anos, o encanador Aneilton Avelino dos Santos, diz que o salário pago é inferior ao praticado pela construção civil. “O salário é muito baixo recebemos uma medida de R$610,00, isso é mais baixo do que o da construção civil. Além disse muitos trabalhadores estão com doenças ocupacionais que nem chegam a ser provadas pela empresa. Queremos que seja feito um acordo de salários para que os trabalhadores possam ter os seus direitos garantidos”, ressaltou.

 

Por Kátia Susanna

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais