PM é preso suspeito de desaparecimento de jovem

0

Rodrigo está desaparecido há quase seis meses
Uma grande injustiça pode ter levado ao desaparecimento do jovem Rodrigo Fonseca de Melo, de 29 anos. Rodrigo está desaparecido desde o mês de outubro do ano passado quando saiu de casa para ir ao trabalho e não retornou. Angustiada, a família de Rodrigo está vivendo um drama por buscas de informações sobre o paradeiro do rapaz.

Para não atrapalhar as investigações durante esses meses de busca, a família de Rodrigo preferiu não divulgar o desaparecimento do jovem à imprensa. De acordo com o pai da vítima, Carlos Roberto Barros Melo, no dia do desaparecimento uma testemunha chegou a ver cerca de quatro pessoas espancando e colocando Rodrigo em um carro Monza preto de propriedade de um policial militar que já está preso identificado como Josildo de Oliveira Santos.

O drama de Rodrigo começou quando sua enteada, sobrinha do policial militar, que na época tinha

Laudo mostra que foi encontrado sangue no carro do militar
9 anos disse para uma professora de reforço escolar que teria sido estuprada pelo jovem. A professora chegou a procurar a mãe da criança que afirmou para a mulher que confiava no caráter de Rodrigo e que por isso não levaria o caso a polícia. O pai da vítima conta que mesmo com a negativa da esposa, a professora denunciou o caso ao conselho tutelar que começou a investigar as informações e afastou Rodrigo de casa.  

“Desde o início acreditei no meu filho porque ele teve uma educação muito rígida assim como recebi e sei que não teria coragem de cometer um ato como esse. Nesse tempo que saiu de casa Rodrigo foi morar na minha casa do dia 22 ao dia 30 de setembro. Ele chegou a dizer que estava com medo do que poderia acontecer até que o exame do IML fosse divulgado provando a inocência dele”, conta

Laudo do IML inocenta Rodrigo da acusação de abuso
Carlos Roberto, salientando que Rodrigo sugeriu que iria fugir até que a inocência dele fosse comprovada.

“Aconselhei meu filho a ficar e esperar já que ele não tinha feito nada, hoje me arrependo de não ter dado força para ele ter se afastado por um tempo”, lamenta o pai da vítima.

Sem a comprovação dos exames do Instituto Médico Legal (IML) que poderiam atestar o suposto abuso o pai da menina, Josenilson de Oliveira Santos, decidiu se vingar e junto com o irmão que é policial militar, Josildo de Oliveira Santos, sequestraram o rapaz. Essa foi à conclusão das investigações feitas pelo delegado do Complexo de Operações Policiais Especiais (Cope), André Baronto.

O delegado afirma que com base em testemunhas e na perícia realizada no carro do policial militar

O pai de Rodrigo diz que recebeu total apoio do promotor Deijaniro Jonas
foi possível efetuar a prisão dos dois homens. André Baronto diz que após laudo feito na época pelos peritos criminalísticos Sérgio Figueiredo Souza, assassinado em janeiro desse ano, e Leandro José Menezes Lima, ficou comprovado a presença de sangue humano na mala do carro do militar.

“O policial está preso no presídio militar e o irmão dele no Cope. O inquérito será encerrado na próxima semana, mas isso não isenta de continuar investigando”, esclarece André Baronto.

Injustiça

O pai de Rodrigo lembra que o filho era um pai de família responsável e que trabalhava bastante para conseguir uma promoção no trabalho, ele estava casado há sete anos e possuia muitos sonhos. “Com menos de um ano trabalhando ele já era encarregado e já estava passando por treinamento para chegar à gerência do supermercado”, orgulha-se.

Carlos Roberto diz que na época que foi acusado de abuso, Rodrigo foi hostilizado e toda a família

Avaliação diz que garota apresentava compulsão por mentira / Fotos: Portal Infonet
sofreu com acusações da comunidade. Pai de mais dois filhos casados Carlos deseja saber o que aconteceu com o filho. Desde que Rodrigo desapareceu a esposa dele está em depressão e passa por tratamento psicológico”, diz o pai da vítima.

Inocência

Dois exames realizados na enteada são conclusivos para comprovar a inocência de Rodrigo. O Portal Infonet teve acesso ao exame do IML que descarta a possibilidade de estupro.  Uma avaliação psicológica também foi realizada e a conclusão do médico é que a menina apresentava compulsão por mentiras.

Denúncias

Quem souber informações sobre esse caso pode colaborar ligando gratuitamente para o disque-denúncia, através do telefone 08000-79-0147 ou para o 190 do Centro Integrado de Operações em Segurança Pública (Ciosp).

Por Kátia Susanna

Comentários