Polícia apresenta responsável por tráfico em Sergipe

0

Acusados não teriam passagens pela polícia
O delegado Marcelo Cardoso, coordenador do Complexo de Operações Policiais Especiais (Cope), apresentou na tarde desta quarta-feira, 22, detalhes sobre a prisão de três pessoas ligadas ao tráfico de drogas em Sergipe. Thiago dos Santos Silva, Alexandra Gouveia de Amorim e Ednilson Dias, o “Dé’, foram detidos na segunda-feira, 20.

Os dois homens vinham de Guarujá (SP) para Aracaju com 15kg de drogas, sendo 10kg de cocaína e 5 kg de crack, escondidos na parte traseira do carro, um Siena com placa de Pernambuco. A mulher, que é esposa de Thiago, seria a “gerente” do tráfico na capital sergipana e foi detida em sua residência no bairro Soledade.

Droga seria comercializada na Micarana
Thiago, 23 anos, teria comprado a droga em São Paulo para ser distribuída em Sergipe. O delegado Marcelo Cardoso, informou que os 23kg de drogas que foram apreendidos em poder de duas mulheres na rodoviária em março também pertenciam a ele. “Essa primeira apreensão foi um golpe muito duro para o Thiago, que desta vez, preferiu ir a São Paulo pessoalmente para trazer a droga”, declarou Marcelo. Um dos destinos da droga, segundo o delegado, seria a Micarana, festa que acontece na cidade de Itabaiana até dia 26 deste mês.

Como Thiago não possui carteira de habilitação ele contratou o “Dé”, que é capixaba e trabalha como caminhoneiro, para conduzir o veículo. De acordo com o delegado ele sabia que estava transportando drogas e receberia cerca de R$ 2 mil pelo serviço. Para tentar despistar a polícia a droga foi colocada num compartimento na parte traseira do carro

Marcelo Cardoso disse que as investigações continuam
que estava suja de graxa para disfarçar o cheiro da droga. “Foi preciso desmontar o carro todo, praticamente, para retirar a droga”, explicou Marcelo. A prisão dos dois foi efetuada numa barreira montada em Cristinápolis, região sul do Estado posteriormente a esposa de Thiago foi detida em casa.

Investigações prosseguem 

O suposto traficante vem agindo em Sergipe há pelo menos seis meses e o trabalho da polícia agora é identificar quem são os responsáveis pela venda dos entorpecentes fornecidos por ele. De acordo com Marcelo Cardoso, os dois homens e a mulher não tem passagem pela polícia, mas não está descartada a possibilidade de estarem utilizando documentação falsa. Por enquanto eles estão detidos na sede do Cope e com a conclusão do inquérito serão conduzidos ao presídio do Santa Maria.

Por Carla Sousa

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais