Polícia investiga morte de italiano

0

Italiano foi encontrado morto
Policiais civis da 4ª Delegacia Metropolitana, sob a coordenação do delegado Jéferson Alvarenga, foram acionados na tarde desta terça-feira, 9, através do Centro Integrado de Operações em Segurança Pública (Ciosp) para atender uma ocorrência relativa a presença de um corpo no bairro Atalaia. Os policiais foram até a rua Lions Club e lá foram recebidos por um funcionário de um vizinho da casa mencionada.

Os agentes foram até o cômodo dos fundos da residência na companhia do caseiro e lá constataram a presença de um corpo sem vida. Tratava-se do italiano Paulo Roberto Zanol.

De acordo com o delegado Luiz Carlos, o crime teria acontecido na manhã da segunda-feira, 8. “O corpo estava sem roupa e não foi encontrado sinais de violência. A vítima apresentava apena uma escoriação na testa”, relatou o delegado. O delegado também informou que vizinhos teriam ouvido uma discussão entre a vítima e um homem identificado como Antônio Carlos Ferreira, mais conhecido como “Galego”, que morava na mesma casa.

Luiz Carlos informou que o depoimento do acusado só foi possível ser tomado na manhã dessa quarta-feira, 10. “Ele tava tão embriagado que não conseguimos ouvi-lo ontem [9]. Ele afirma que foi convidado pela vítima para morar na casa, mas nega que tivessem discutido”, contou o delegado.

Delegado diz que como a causa da morte foi indeterminada, acusado será liberado
O corpo do italiano foi encaminhado ao Instituto Médico Legal, onde o laudo médico constatou causa da morte indeterminada. “Foram encontradas diversas cartela de remédios dentro da casa, nenhum sinal de violência foi comprovado e não existe flagrante, porque a vítima teria morrido na segunda e só foi encontrado na terça pelo caseiro”, explicou.

Segundo o delegado, exames ainda serão feitos no corpo da vítima, mas o suspeito será liberado porque não existem provas que o incrimine. “Realmente causa estranheza, pois os dois não tinham qualquer ligação, apenas se conheciam dos bares e o italiano teria o convidado para morar na mesma casa, mas como o IML nos mandou o laudo da morte indeterminada, vamos liberar o suspeito”, contou.

O delegado ainda informou que existem informações de que o italiano havia vendido a casa e que tinha pedido ao Antônio Carlos que saísse da residência. “São algumas informações que vão chegando e que irão se somar às investigações”, finalizou o delegado.

Com informações da SSP

OBS: matéria alterada para correção de informação e alteração do título.

Comentários