Postos de gasolina podem ser proibidos de vender bebidas alcoólicas

0

Lojas de conveniência são os pontos preferidos dos jovens para comprar bebidas
Um projeto polêmico está prestes a virar lei federal. A proposta prevê a proibição do comércio e ingestão de bebidas alcoólicas destiladas e fermentadas, como cerveja, nos postos de combustível, lojas de conveniência e estabelecimentos comerciais fora do perímetro urbano. O projeto de lei foi aprovado ontem, 7, na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado e segue para a Câmara dos Deputados sem passar pelo plenário, somente pelas comissões.

O único senador que votou contrário à aprovação do projeto foi o sergipano Almeida Lima (PMDB-SE). “Esse é um projeto faz de conta. No Congresso tem muito disso. Tem muito projeto onde os congressistas tentam passar para a opinião pública como se fosse a solução ou o remédio para todos os males”. Para Almeida, essa não é a melhor solução para inibir o consumo de álcool por motoristas e os conseqüentes acidentes de trânsito. Os senadores alegam que esses pontos são lugares de

Senador Almeida Lima foi o úncio a votar contra a proposta
reuniões de jovens, mas “se proibirem em alguns locais eles criarão outros pontos, sempre foi assim”, argumenta.

O presidente do Sindicato dos Postos de Gasolina de Sergipe, Luciano Levita, declara que a proposta de lei é muito restritiva. “nós somos contra essa lei tem algumas contradições e a gente não entende o motivo dele. Uma coisa é o motorista beber e dirigir. A gente entende que um passageiro do veículo deve ter o direito de beber desde que ele não dirija. Esse cidadão será penalizado em seu direito”, afirma.

Atualmente, em Aracaju é comum presenciar cenas de grupos de jovens motoristas consumindo bebidas alcoólicas. A venda desse tipo de produto é significativa em alguns postos da cidade localizados em pontos estratégicos, como na zona sul da cidade e próximos a boates e casas de shows. “O movimento aqui é maior no sábado a noite. Muitos jovens passam e compram bebidas antes de ir para as festas. Tem gente que já chega aqui bêbado”, declara o supervisor de uma loja de conveniências Hugo Leonardo dos Santos.

Ítalo Emanuel é contra o projeto de lei
Para o segurança Ítalo Emanuel, o consumir álcool e dirigir é uma decisão que “vai da cabeça de cada um, a pessoa bebe se quiser”. Ele acrescenta que “se não for num posto de gasolina a pessoa vai comprar bebida num supermercado 24 horas, por exemplo”. Na opinião do presidente do sindicato, “essa restrição parece uma diferença particular para os postos”.

Saída

O senador Almeida Lima, aponta algumas possíveis tentativas para amenizar o alto índice de acidentes de trânsito aliados á bebida. “Porque  não criar um projeto que obrigue o motorista a fazer o teste do bafômetro? Atualmente ele se submete se quiser”, sugere.

Outra medida seria, segundo ele já existe um projeto no Senado, do qual é relator, que estabelece a proibição da veiculação de propaganda de bebida alcoólica nos meios de comunicação.

Opinião do internauta

Caro internauta, você também pode participar desta discussão dando sua opinião.  Basta clicar no link logo abaixo ‘Comentar Matéria’.

Por Carla Sousa

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais