Praças viram refúgios de assaltantes em Aracaju

0

Falta de policiamento transforma praças em refúgios de criminosos
As praças da capital têm sido alvo constante dos assaltantes. Longe da ronda policial, as praças tornaram-se excelentes locais para a prática de assaltos, devido ao grande tráfego de pessoas. Enquanto isso, quem trabalha ou passa pelo local diariamente se vê obrigado a modificar a sua rotina para não se tornar vítima dos criminosos. 

Os taxistas que aguardam corridas na região da Biblioteca Pública Epifânio Dória, na Rua Dr. Leonardo Leite, também reclamam da insegurança dessa área do bairro 13 de Julho, que raramente é policiado.

Janisson Mota diz que independente do horário, a área é

Taxistas têm medo de ficar no local
perigosa todo o dia, sendo constante o número de vítimas de assaltos que têm seus celulares ou bolsas levados. Agora, o taxista sai do ponto às 19 horas, devido ao perigo do local.

Assaltos são comuns na praça da SSP

A insegurança se estende em várias praças da capital. Na Praça Tobias Barreto, em frente à Secretaria de Segurança Pública do Estado, os comerciantes reclamam da falta de policiamento. “A segurança por aqui está muito fraca. Os assaltantes assaltam qualquer um por aqui. Já invadiram a banca de revistas em que trabalho à noite, e, pelo telhado,

Área deserta no meio da 13 de Julho é refúgio de assaltantes
levaram vários produtos e dinheiro”, diz o vendedor Nilton   Júnior.

Nilton destaca também a presença de marginais perigosos. De acordo com o vendedor, dia e noite há pessoas suspeitas rondando o local. “A casa lotérica aqui do lado já foi assaltada durante o dia, em horário de pico. Há duas semanas, um homem foi esfaqueado e a polícia nem apareceu aqui”, afirma Nilton.

Comerciantes mudam rotina para evitar assaltos

A Zona Norte da cidade também sofre com a escassez de  policiais. Na Praça Dom José Tomás, no Siqueira Campos, os proprietários de bares tiveram que mudar a rotina para se prevenir dos assaltos, que são comuns na região.

O vendedor Nilton Júnior
“Até pouco tempo atrás, quase todos os bares ficavam abertos dia e noite aqui. Agora, todo mundo tem medo de vir pra cá, o número de clientes diminuiu muito e a gente fecha o bar cedo, às 2 da manhã”, diz a garçonete Vaneide Macena.

Vaneide diz que as pessoas que andam pela área vivem com medo. “Os alunos dos colégios próximos já sabem que andar de celular é um perigo. Os malandros que andam por aqui vivem  assaltando todo mundo porque sabem que a polícia quase nunca vem aqui”, afirma a garçonete.

Guarda Municipal realiza segurança das praças

 O Major Edenisson da Paixão, diretor da Guarda Municipal de Aracaju, acredita que o patrulhamento correto está sendo feito nas praças da capital. De acordo com o major, a segurança ostensiva é realizada em todo o bairro 13 de Julho através de ciclo-patrulhamento efetivo.

Número de clientes diminue após onda de assaltos nas praças

Major Edenisson afirma também que o policiamento efetivo não ocorre na praça do Siqueira Campos. “A ação efetiva não acontece, pois já há um Posto de Atendimento do Cidadão (PAC) logo em frente à praça”, afirma o major.

A Praça Tobias Barreto, por encontrar-se em frente à Secretaria de Segurança Pública, já é policiada naturalmente, de acordo com o major. “No local, há segurança efetiva nos dias de feira, com viaturas e motocicletas”, conclui Major Edenisson.

 

 

Por Domingos Lessa e Aldaci de Souza

 

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais