Presidente do TJ toma posse e anuncia concurso

0

Roberto assume o desafio de melhorar relacionamento com o servidor / Foto: Portal Infonet
O Desembargador Roberto Eugênio da Fonseca Porto tomou posse nesta quarta-feira, 4, como presidente do Tribunal de Justiça de Sergipe (TJ/SE) com as promessas de dar continuidade a todos os bons projetos em andamento, investir na capacitação do servidor e de modernização do órgão. Uma boa notícia dada em coletiva à imprensa antes da solenidade de posse foi a da realização de concurso público que deve ser promovido ainda no primeiro semestre deste ano.

“O concurso anterior já expirou e há a necessidade de contratação de mais servidores efetivos. A estimativa é que sejam ofertadas cerca de 90 vagas”, declarou. Ele disse ainda que as fundações Carlos Chagas e Cespe já foram contactadas e que espera reduzir o número de cargos comissionados com a contratação de novos servidores. 

O número excessivo de cargos comissionados no Poder Judiciário de Sergipe é uma das maiores críticas do sindicato dos servidores, que afirma que são mais de 600. O presidente do TJ recém-empossado, afirmou que cargos comissionados existem em todos os níveis da administração pública e que não conhece a situação atual do TJ, mas pelo que ja teve conhecimento o número não chega a 600, como vem divulgando o sindicato.

Questionado sobre como pretende administrar a relação com o servidor – que através do sindicato vem promovendo protestos contra os atos da presidência do órgão – ele foi enfático ao afirmar: ”pelo que tenho conhecimento a maioria não aprova esse tipo de manifestação agressiva que o sindicato vem tomando”.

Ação contra o TJ

Recentemente o Sindicado dos Servidores da Justiça (Sindiserj) entrou com ação no Supremo Tribunal de Justiça (STF) pedindo a anulação da sessão do pleno do TJ/SE ocorrida em 17 de dezembro, na qual os desembargadores decidiram pela arquivação do Plano de Cargos e Salários (PCS) e elegeram a nova mesa diretora empossada nesta quarta. O documento foi encaminhado pelo STF ao TJ/SE para que seja apreciado. Roberto Eugênio afirmou  que não conhece o teor da representação, mas adiantou que na ocasião todas as partes envolvidas, inclusive o presidente do sindicato, foram ouvidas.

Por Carla Sousa

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais