Preso suspeito de matar funcionário da Coca-Cola

0

Gilberto Alves dos Santos disse que o tiro foi acidental (Fotos: Portal Infonet)

A Polícia sergipana conseguiu prender um homem suspeito de ter assassinado o vendedor da coca-cola Edvan José Cardoso da Silva, 31 anos, no dia 2 de dezembro de 2014. Segundo a polícia, Gilberto Alves dos Santos, 28 anos, é autor do latrocínio e foi encontrado pela polícia no momento em que estava em um supermercado no município de Cristinápolis.

De acordo com o delegado José Accioly de Cristinápolis, o suspeito estava com um menor de idade no momento do crime. “Ele não esboçou reação no momento da prisão. Ele contou a polícia que estava com um amigo menor de idade usando droga no Tamandaré quando o caminhão passou e eles disseram que iriam fazer o roubo. Ele foi até um amigo que já foi morto e pegou a arma emprestada com ele. Depois foi até o caminhão, engatilhou a arma e pediu o dinheiro da renda. O rapaz disse que não tinha e segundo ele a arma disparou”, informa.

Delegado José Accioly detaqlhou a prisão do suspeito 

Gilberto Alves dos Santos já tem passagem por roubo e de acordo com a polícia, no último domingo, tentou matar um desafeto com uma arma de fogo. Ele também é suspeito de roubar três distribuidoras de bebidas em Cristinápolis, sendo que em uma delas ele conseguiu subtrair cerca de R$ 4 mil reais.

Tiro acidental

Para a imprensa, o suspeito alegou que o crime foi acidental. “Foi a arma que disparou. Eu estava sem dinheiro e tive que roubar. Ele [vítima] disse que o dinheiro estava no cofre e quando eu fui saindo a arma estava engatinhada e foi só um tiro na boca dele. Eu participei apenas de um assalto em Cristinápolis”, afirma.

Gilberto Alves dos Santos será conduzido até a 3ª Delegacia Metropolitana no bairro Santos Dumont responsável pela investigação do caso.

Por Aisla Vasconcelos

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais