Presos suspeitos de matar professora

0

Cássio Lima teria encomendado o assassinato (Fotos: SSP)
Na tarde desta sexta-feira, 13, foram apresentados pela Polícia Civil os suspeitos do assassinato da professora Ana Alba Brasil Feitosa, 55, morta no dia 12 de maio deste ano. As prisões foram frutos de seis meses de investigações do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP). Segundo o delegado que conduziu as investigações, Robério Santiago, dois suspeitos continuam foragidos.

No dia 12 de maio, dois homens em uma moto Twister vermelha dispararam contra o comerciante conhecido como Acioly da Farmácia. Além de atingirem o comerciante, os disparos acertaram a professora Ana Brasil, que cumprimentava Acioly no momento da ação dos bandidos. Acioly chegou a ser internado e sobreviveu. Já a professora faleceu poucos dias depois do atentado.

De acordo com o delegado Robério Santiago, o único alvo era o comerciante. Segundo ele, o crime foi encomendado por Cássio Lima, que se encontra preso no DHPP. “Ele alegou problemas de família, mas não quis entrar em detalhes”, afirma.  Ainda de acordo com Santiago, o mandante solicitou os serviços de Rosival Oliveira, o ‘Val Cachorrão’, e de José Carlos Andrade, ambos já presos.

Devison Lima, o “Playboy”, teria pilotado a moto usada no crime e está preso
“Cássio Lima encomendou o crime a Val Cachorrão e José Carlos Andrade. Este último conduziria a moto, enquanto Val dispararia contra a vítima. Mas José Carlos não aceitou, e a tarefa foi passada para Devison Lima, o ‘Playboy’. No dia do homicídio, Devison pilotava a moto enquanto Val Cachorrão efetuava os disparos”, conta o delegado.

Apesar de não ter concordado em pilotar a moto, José Carlos teria participado do crime de outra maneira. “Ele e sua esposa, Maria Helena Oliveira, que participaram das rodadas de negociações, foram ao local do crime logo após o ocorrido para se certificarem do sucesso do assassinato. Chegando lá eles constataram que a professora é que tinha sido atingida, e voltaram para contar aos outros”, relata Santiago. Maria Helena Oliveira também está presa no DHPP.

As investigações

Delegado Robério Santiago conduziu as investigações (Foto: Arquivo Infonet)
Segundo o delegado, as investigações, que duraram seis meses, foram prejudicadas porque o grupo se dispersou após o crime. De acordo com Robério, foi necessário voltar atrás nas investigações, reconstituir todo o crime e juntar as peças para se chegar até os envolvidos. Durante as investigações do assassinato, foi possível descobrir a ligação dos suspeitos com outros crimes, sobretudo na região do Santo Antônio.

Além de Val Cachorrão, outro suspeito continua foragido. Segundo o delegado, esta sexta pessoa será “crucial para desvendarmos a motivação do crime”. O delegado, no entanto, não quis divulgar o nome do suspeito para não atrapalhar nas buscas. Ainda segundo ele, a polícia continua à procura de Val Cachorrão.

Por Helmo Goes e Carla Sousa

Comentários