Prisão de mulher será investigada pela PM

0

Joice diz que foi obrigada pela PM a deixar o apartamento (Fotos: Arquivo Portal Infonet)

A questão de um apartamento que está sendo ocupado pelo Movimento Popular de Saúde (MOPS), mostrado pelo Portal Infonet desde o último sábado, 29, terminou em uma séria confusão envolvendo uma suposta denúncia de abuso por parte da Polícia Militar.

A proprietária do imóvel  alega ter sido retirada do apartamento a força pela polícia. Joice Dayse teria sido algemada e levada para uma delegacia. A situação aconteceu quando Joice entrou no apartamento e foi impedida por pessoas ligadas ao MOPS.

A jovem alega que tem toda a documentação dando conta de que pagou o apartamento à Caixa Econômica Federal e que precisa dispor do imóvel.

Levada a força

Na tentativa de ocupar seu apartamento Joice afirma que foi levada pela polícia para uma delegacia e ao chegar ao local, o próprio delegado constatou que não existiu crime cometido pela

O capitão Marcos diz que foi até o local por conta de denúncia de sequestro
mesma. O capitão da Polícia Militar, responsável pela operação conta por meio de uma nota enviada à imprensa que recebeu uma ligação através do Centro Integrado em Operações de Segurança Pública (Ciosp) dando conta de que uma senhora identificada pelas iniciais R.O., relatava a ocorrência de sequestro com reféns cativos, dentre eles uma senhora de 73 anos, e que um dos envolvidos seria um policial militar pré-identificado.

A nota informa que foi deslocada uma viatura de área enquanto o capitão que atua no gerenciamento de crises da PM se deslocava até a ocorrência. “No apartamento citado, verifiquei pessoalmente e cercado por dezenas de pessoas que fiz questão que acompanhassem toda a mediação, que não se tratava de sequestro, mas de impasse que tinha de um lado a senhora Joice, noiva de um policial militar que se fazia presente e sua família, e de outro os integrantes do MOPS, em disputa pela posse do apartamento”, diz o oficial.

Sobre o impasse gerado que teria ocasionado a utilização de algema e o deslocamento de Joice até a delegacia a nota explica ainda que foram feitas negociações por mais de duas horas e que o entendimento do capitão Marcos carvalho foi que Joice tinha a propriedade do imóvel, mas o MOPS detinha sua posse.

“Ela negou-se repetidas vezes a cumprir a ordem manifestamente legal, inclusive dizendo diversas vezes que dali só sairia presa e algemada, ainda que tivesse consultado sua advogada por telefone. A senhora Joice foi então convidada a ir para a Delegacia mais próxima, respondendo por desobediência e exercício arbitrário das próprias razões, e havendo novas negativas por parte dela, dizendo que dali não sairia em alto tom de voz, determinei que fosse algemada e retirada do local”, explica o oficial.

Por Kátia Susanna com informações da PM

Comentários