Problemas no Loteamento Moema Meyre continuam

0
Ruas continuam sem asfalto (Fotos: Portal Infonet)

Os moradores do Loteamento Moema Meyre, localizado no bairro Santos Dumont, convivem ainda com as péssimas condições de infraestrutura no local. Por conta das chuvas, os moradores estão temerosos com as rachaduras nas ruas.  No loteamento falta saneamento básico, razão pela qual em tempos de chuva os problemas aumentam.

Segundo o morador José Marcos de Brito, o problema se arrasta há mais de 6 anos. Ele conta que o os lotes foram vendidos por uma empresa chamada Jaluzi, mas a mesma não teria legalizado a venda dos terrenos com a Prefeitura e por isso as casas foram construídas, algumas desordenadamente, e por essa razão os calçamentos não foram feitos.

“Aqui não temos nenhum saneamento básico. Quando chove temos que conviver com a lama, que muitas vezes entram nas casas. Já contactamos a Emurb, mas eles alegam que não pode fazer nada porque quando a Jaluzi vendeu a área, dava conta de que já tinha infraetrutura”, relatou.

Impasse

José Marcos lamenta impasse

O impasse entre a Jaluzi [que vendeu os lotes] e a Empresa Municipal de Obras e Urbanização (Emurb) teve início quando a Jaluzi era proprietária do terreno que foi loteado e vendido. A Emurb, por sua vez, teria que urbanizar o morro, por conta do barro que invade as casas. O problema foi parar no Ministério Público Estadual (MPE) e desde 2009, a população sofre com o problema.

Emurb

De acordo com o assessor de comunicação da Empresa Municipal de Obras e Urbanismo (Emurb), Ademar Queiroz, a Prefeitura não pode implantar infraestrutura no local porque o terreno ainda não está regularizado pelo loteador.  “Todas as casas estão sendo construídas de forma irregular. Já existe uma ação no MPE e a prefeitura só pode regularizar quando o loteador realizar as obras mínimas necessárias exigidas, para que possa fazer a regularização da área. Enquanto isso a área continua sendo particular e não pública”, explicou.

Construção está prestes a desabar

O Portal Infonet tentou ouvir a empresa Jaluzi, mas sem êxito. O Portal está à disposição da empresa, caso queira se manifestar, através do 2106-8000 ou jornalismo@infonet.com.br.

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais